COMEMORAÇÃO

Festa de Santana tem valor valor social e cultural

CULINÁRIA Na Catedral de Santana, o tortinho, salgado típico das festas mogianas, é preparado por voluntárias para a quermesse. (Foto: Eisner Soares)

Mogi das Cruzes deu início ontem à tradicional Festa de Santana. As celebrações têm importância no calendário cultural e histórico, e devem atrair fiéis de diversas cidades da região. A festa, que homenageia a padroeira da cidade, tem origem no século XIX e é a segunda mais antiga do município.

“É uma tradição, e toda tradição traz identidade para a população de uma cidade ou região”, afirma o historiador e professor Mario Sérgio de Moraes. Para ele, o evento também transmite valores, e “estimula a harmonia social”.

Morais recorda que Santana está diretamente ligada a fundação de Mogi. “Quando uma cidade era fundada, era costume escolher uma padroeira ou padroeiro para receber sua benção divina. Santana é a padroeira de Mogi, desde que a cidade era apenas uma vila”, recorda.

Segundo o historiador, a festa teve início na segunda metade do século XIX. “Dizem os mais velhos que na época ela era mais vultuosa e importante que a do Divino, apesar dessa ser mais antiga”. Ele afirma que as festividades tiveram grande proeminência até a metade do século XX, e mantêm sua relevância até a atualidade.

“A igreja transmite valores sociais através das rezas e rituais, que criam um sentimento de pertencimento e uma vacina contra a violência”, explica Morais. Para ele, preservar a festa significa manter vivos bons valores morais na cidade.

Além da importância cultural, a celebração se se mantêm no calendários religiosos do município. “Para os fiéis os pontos altos da festa são a novena e a procissão”, conta o bispo diocesano, dom Pedro Luiz Stringhini.

Pouco se sabe sobre Santana, avó de Jesus, e mãe de Maria. “Sua história não está na bíblia, mas foi contada entre as gerações, e está nos anais da Igreja Católica”, conta o religioso. “Todos os santos são exemplos, são pessoas que se tornarão referencia sobre a vida de um cristão. Santana é um exemplo e bons valores, e representa a família de Cristo, sendo escolhida para uma função mais do que especial, ser avó de Jesus”, reflete dom Pedro.

Segundo o bispo, a festa tem dimensão paroquial, mas sua importância está no fato de Santana ser a padroeira mãe da catedral diocesana de Mogi, que rege 60 paróquias. “Os festeiros (Mariany e Walter Zago Ujvari) e os capitães de mastro (Wilson Godoi e Silvania Aparecida Ruiz), e o pároco Cláudio Delfino trabalham durante todo o ano preparando a programação para que o evento seja uma verdadeira celebração à fé”, diz.

A programação religiosa e festiva será concentrada na catedral diocesana. A quermesse acontecerá todas as noites na Praça Coronel Almeida, em frente ao templo, enquanto as missas serão realizadas até o dia 25, às 19 horas, cada dia celebrada por um sacerdote convidado. Já no encerramento, no dia 26, feriado municipal e dia dos avós, às 16 horas, os fiéis sairão em procissão pelas ruas centrais. O telefone para mais informações é o 2312-6007