CAPACITAÇÃO

Poda de árvores em Mogi deve ser agilizada

MANUTENÇÃO A poda de árvores previne interrupção no fornecimento de energia elétrica, cuja fiação sofre atrito com a vegetação. (Foto: arquivo)

Com o objetivo de agilizar as podas de árvores no município, principalmente na zona rural, funcionários da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente e da EDP São Paulo receberão capacitação nesta semana, para realização do serviço de forma adequada. “Uma poda malfeita pode prejudicar a saúde da árvore, provocando até a sua queda, além de causar riscos a população”, alertou o secretário Daniel Teixeira de Lima, titular do Meio Ambiente.

Em abril, Lima proibiu a distribuidora de energia de promover as intervenções devido à execução de forma inadequada. Com isso, houve reclamação de moradores sobre a demora no serviço junto aos vereadores. A Comissão de Indústria, Comércio, Agricultura e Direito do Consumidor, presidida por Francimário Vieira Farofa (PL), decidiu, então, por um encontro entre as partes envolvidas. “A gente é muito cobrado. Eu não sei se é a EDP ou a Secretaria, mas é uma coisa que a gente tem que trabalhar. É uma coisa que não pode continuar acontecendo”, disse.

A representante da EDP Agnes Coelho e sua equipe técnica, informaram que em 2018 a EDP investiu cerca de R$ 240 mil no bairro do Beija-Flor, que entre outras medidas, levou à região um novo religador, que vai diminuir os impactos da queda de energia. Os técnicos também acrescentaram que em 2019 já foram realizadas 761 podas de árvores na cidade, ao custo de R$ 11 mil. Ainda estão previstas mais 285 podas.

“Havia um acordo entre nós e a EDP de que a empresa enviaria uma lista dos locais que precisariam da poda. Esse acordo não foi cumprido e eles estavam fazendo o serviço de maneira inadequada”, protestou Lima. Na reunião, realizada na última sexta-feira, a distribuidora de energia se comprometeu a trabalhar em conjunto com Prefeitura para dar mais celeridade ao processo.

O vereador Pedro Komura (PSDB), membro da Comissão de Agricultura, questionou o secretário de Agricultura, Renato Abdo, sobre a possibilidade de ser realizado um trabalho preventivo junto a população, principalmente na área rural, já que, segundo Komura, é a parte mais afetada com atritos de árvores com a rede elétrica.

Abdo informou que uma boa medida preventiva seria capacitar os produtores rurais para que, em determinadas situações, eles mesmos realizem a poda das árvores. Os agricultores contabilizam prejuízos com a interrupção no fornecimento de energia causada justamente pela ausência ou demora no serviço.

“Avançamos muito nesta reunião, que foi um passo muito importante para que nós possamos nos atentar às demandas da população que sofre com o lento processo na poda de árvores”, finalizou Komura.