CONSUMIDOR

Procon de Mogi das Cruzes expande o atendimento

ALTERAÇÃO Elizangela Montemor realiza audiências em Braz Cubas e amplia atenção ao público. (Foto/ Eisner Soares)

Se comparados os seis primeiros meses de 2018 e 2019, o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Mogi das Cruzes ampliou em quase 10% o número de atendimentos. Muito disso é resultado do trabalho que vem sendo feito pela advogada Elisângela Montemor, diretora do órgão há quatro meses. Desde que assumiu o cargo ela aumentou o horário de distribuição de senhas, ampliou o quadro de funcionários e pretende ainda promover outras mudanças. De janeiro a junho, foram feitos 9.135 atendimentos.

Se antes as audiências aconteciam no prédio II da Prefeitura, que fica na Rua Francisco Franco, elas foram transferidas no início do mês passado para a sede principal da Administração Municipal, onde a diretora está diariamente. Elisângela considerou que essa seria a melhor medida, já que ela estaria por perto caso surgissem dúvidas.

Agora, ela quer facilitar o acesso da população, realizando audiências também na unidade do Procon de Braz Cubas, com o intuito de alcançar com maior facilidade os moradores do Distrito e também de Jundiapeba. As sessões teriam de acontecer, entretanto, em dias alternados, para que a advogada também pudesse estar presente.

“As pessoas ainda têm a ideia de que no Procon da Prefeitura o atendimento é diferenciado, mas isso não é verdade, a assistência vai ser sempre a mesma. Por isso, é importante ressaltar que os consumidores devem procurar a unidade mais próxima, porque isso facilita em tudo para eles. Depois de fazer uma reclamação, por exemplo, eles precisam retornar para saber a resposta. Quanto mais perto eles estiverem, mais rápido e fácil o processo acontece”, frisou a diretora.

O Procon de Mogi das Cruzes pertence à regional de São José dos Campos. Este ano, em conjunto, as unidades já promoveram duas blitze no comércio da cidade. Uma aconteceu no Dia das Mães e a outra no Dia dos Namorados, datas de grande movimentação nas lojas. Em ambas ocasiões os fiscais visitaram alguns estabelecimentos para verificar possíveis erros, como a falta de preço nas vitrines, para que pudessem orientar os comerciantes.

Inicialmente, os funcionários do órgão apenas dão instruções sobre como os lojistas devem proceder e sobre obrigações, como a disponibilização do Código do Consumidor. Caso seja um estabelecimento que venha apresentando um problema recorrente pode ser lavrado um auto de constatação. Quando não acontece uma blitz, os fiscais chegam a uma loja específica após receber denúncias por parte dos comerciantes.

“O comerciante tem uma ideia equivocada. Ele acha que se esconder determinadas informações vai atrair mais consumidores, mas isso não é verdade. Os clientes gostam de ter tudo claro e objetivo, com preços, forma de pagamento e todas as informações que interessam na hora da compra”, considerou Elisângela. Outra dificuldade de relacionamento com os empresários é a falsa impressão de que o Procon é um vilão na relação de consumo. “O consumidor tem bem claro isso na mente, que o Procon é um defensor, os fornecedores talvez não tenham essa ideia tão clara. Com o passar do tempo acho que a gente consegue passar isso”, afirmou.

Quando a diretora assumiu o cargo, contava com 12 funcionários distribuídos pelas quatro unidades. Hoje, este número aumentou para 17 e, com isso, o Procon de Braz Cubas fica aberto de segunda a sexta-feira, o que não acontecia anteriormente. Já as senhas de atendimento, que eram distribuídas até as 15h30, hoje são entregues até as 16 horas. Isso porque as unidades encerram o expediente às 17 horas, e o atendimento pode levar até uma hora.