TRABALHO

800 mogianos disputam vagas de cursos profissionalizantes para jovens da Amoa

DEMANDA Como no passado, seleção reúne grande número de jovens interessados no primeiro emprego. (Foto: Eisner Soares)

Com as inscrições para as turmas de 2020 da Associação Mogiana Oficina dos Aprendizes (Amoa) realizadas ontem, os candidatos deverão agora se preparar para uma segunda etapa: a entrega dos documentos solicitados. Cada turma de jovens terá um prazo para efetuar esta parte, mas a data limite é o próximo dia 21. Os cerca de 70 alunos de cada grupo, que são quatro anualmente, deverão começar a frequentar as aulas de qualificação profissional no início na primeira semana de fevereiro.

O curso, que tem duração de 50 dias, é formado pelas disciplinas de Comunicação no Mundo do Trabalho; Relações Humanas e Vivência Trabalhista; Organização e Administração Empresarial; Expressão Corporal; Informática; Etiqueta Empresarial; Noções de Serviços Administrativos e Painel Jurídico. As turmas costumam ser divididas em duas de 35 alunos e, passadas as 10 semanas, outros 70 jovens dão início ao curso.

Até o meio da tarde de ontem, cerca de 800 candidatos já haviam feito a inscrição. Sendo assim, é necessário que seja feita uma triagem para selecionar que ocupará as cerca de 280 vagas que estão disponíveis para o ano. Nesta seleção, são avaliados quatro quesitos: idade, moradia, escolaridade e condição financeira.

Somente jovens nascidos em 2004 e residentes em Mogi das Cruzes podem participar. Eles precisam estar matrículas na escola e, atualmente, cursar, no mínimo, o 9º ano. Além disso, a prioridade é para os adolescentes oriundos de famílias em situação de vulnerabilidade social.

“O nosso objetivo e vontade é de que todos os nossos alunos saiam daqui já com uma vaga de emprego, mas a gente depende do mercado de trabalho. Se o mercado está aquecido, os parceiros requisitam mais aprendiz, se está mais fechado pedem menos aprendiz. Então, nós nunca nos comprometemos de empregar, nós nos comprometemos em capacitar. Uma vez capacitados, surgindo uma oportunidade no mercado, por meio dos nossos parceiros, nós empregamos com certeira assinada”, explicou o presidente da Amoa, Gedeão Alves.

Para que seja possível empregar esses adolescentes, a entidade conta com a colaboração de cerca de 35 parceiros, que são empresas dos mais diversos setores, como mercados, transportes, escritórios de advocacia, clínicas de odontologia e outras. O projeto acontece ainda em parceria com o Lions Clube Mogi das Cruzes – Estância.

Alves está em seu terceiro mandato como presidente, e conta que a evolução dos jovens após começarem a frequentar as aulas é notável. O que ele lamenta, é o fato de alguns não chegarem a concluir o curso, muitas vezes pela distância da Amoa, que fica na Rua Aleixo Costa, 348, Boa Vista.

“Há aqueles que desistem, muitas vezes pela questão da passagem de ônibus. Como o curso é gratuito, nós não temos como bancar também o transporte. Então, alguns infelizmente, que moram em bairros mais afastados, acabam perdendo a oportunidade por essa questão. Os pais também precisam incentivar e ajudar nos ouvindo, se envolvendo com a educação dos filhos”, ressaltou Alves.


Deixe seu comentário