INFORMAÇÃO

A Educação de qualidade perde o seu grande defensor: Jorge Nagle

POR OPÇÃO O professor e ex-reitor da Unesp, Jorge Nagle, tornou-se um mogiano por sua própria iniciativa; aqui ele morreu, aos 90 anos, no sábado. (Foto: reprodução)
POR OPÇÃO O professor e ex-reitor da Unesp, Jorge Nagle, tornou-se um mogiano por sua própria iniciativa; aqui ele morreu, aos 90 anos, no sábado. (Foto: reprodução)

Educador escolheu Mogi para viver os seus últimos anos

Ele chegou a Mogi das Cruzes no final dos anos 90, como integrante da equipe do professor Roberto Leal Lobo, que assumiu a reitoria da UMC com a meta de transformá-la na mais importante instituição de ensino superior particular do País. Bastaram algumas semanas para que, assessorado pelo amigo pessoal e também professor, José Sebastião Witter, conhecesse melhor a cidade e se apaixonasse por ela e por sua gente. Um amor à primeira vista, mas tão intenso, a ponto de ele decidir encerrar seus dias vivendo em Mogi das Cruzes. E como prova inquestionável disso, adquiriu um espaço num cemitério local, onde gostaria de ser sepultado. Na cidade, o intelectual, solitário, viveu mais voltado para os livros e para pessoas simples que ele conheceu em suas andanças pelo centro, onde costumava visitar o Mercadão. Aos domingos, eram inevitáveis as visitas ao Varejão do bairro do Mogilar, onde conhecia os feirantes e os tratava pelo nome. Avesso a entrevistas nesta fase de reclusão, sempre encontrava um bom álibi para denegar os convites que recebia para produzir artigos ou qualquer outra forma de expressão neste jornal. Estava mesmo dedicado à sua rotina que, durante algum tempo, incluiu visitas aos amigos José Sebastião e Geraldina Porto Witter, seus amigos dos tempos de USP e do Museu Paulista, falecidos em 2014. Ou alguns bons dedos de prosa com Elton Gomes Costa, gerente do banco onde ele mantinha sua conta e com quem trocava boas histórias. Quem o via caminhando pelas ruas, com seus inseparáveis suspensórios e óculos de lentes e aros grossos, certamente não imaginava que ali estava um dos mais respeitados educadores paulistas, ex-reitor da Unesp, com uma produção acadêmica de fazer inveja a muito intelectual. Foi autor de vários livros e artigos sobre sua especialidade, a Educação. Crítico feroz de modelos adotados por muitos governos, chegou a ocupar o cargo de Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, antes de vir para Mogi com a missão de coordenar o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Ensino, vinculado à Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação da UMC. No cargo, permaneceu entre 1997 e 2000. Jà aposentado, o professor Jorge Nagle faleceu no último sábado (22), aos 90 anos. E, como desejava, foi sepultado, domingo, no espaço por ele adquirido no Cemitério Parque das Oliveiras, em Mogi das Cruzes. (Veja mais no Caderno Cidades)

Luto

Foi cremado, neste domingo, no Cemitério Horto da Paz, em Itapecerica da Serra, o corpo do médico Fernando Proença de Gouvêa, aos 90 anos, fundador e superintendente do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim, o Cejam, que faleceu às 20h10 do último sábado, na Capital. O Cejam é responsável pelo gerenciamento de mais de 80 serviços públicos de saúde em São Paulo, Rio, Campinas e Mogi das Cruzes, entre outros. Em Mogi, o Cejam administra a Unica de Jundiapeba, Laboratório Municipal, Central de Agendamento e Programa Saúde da Família

Na rede

A página Igreja na Mídia, no YouTube, alcançou 40 mil visualizações e 2,4 mil comentários durante a transmissão da missa de Corpus Christi, celebrada pelo padre cantor Alessandro Campos, em Mogi. A página também passará a mostrar, ao vivo, sempre às segundas-feiras, a missa que o religioso irá presidir, na Igreja de Nossa Senhora do Socorro, no bairro do Socorro, entre 19h30 e 21 horas, a ser transmitida também pela Rede Brasil.

Esperança

O Instituto Anna de Moura realiza, no próximo dia 12 de julho, a partir das 15 horas, Festa da Esperança, em sua sede, no Jardim Aeroporto III, com apresentações de música e dança, participação do Estúdio F/D+ Eventos e do Centro Comunitário Madre Esperança, com quermesse onde haverá vendas de doces, tortas, salgados, entre outros quitutes. Durante o evento, haverá a inauguração da Viela da Esperança, localizada ao lado do Instituto, e que está sendo recuperada e revitalizada pelos alunos, em conjunto com a Prefeitura.

Documentário

O sindicalista Marcelo Cavalheiro, o Marcelo Maquininha, do Sindicato dos Papeleiros de Mogi, aparece logo no início do documentário “Democracia em Vertigem”, da Netflix, sobre o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), considerado um dos muitos reflexos da polarização política e da ascensão da extrema direita ao poder. Marcelo aparece liderando o coro de “não vai sair”, no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, tentando impedir que o ex-presidente Lula se entregasse à Polícia Federal para ser levado preso a Curitiba, em abril do ano passado.

Frase

O caminho é melhorar o transporte público e o uso de bicicletas pra tirar os carros das ruas.

Paulo Pinhal, professor e diretor do Colégio de Arquitetos