CARTAS

Acessos de Mogi

Dizem que é pela entrada da cidade que se conhece o prefeito. No caso de Mogi, o acesso pela Mogi-Guararema valoriza e envaidece Mogi, com a via de mão dupla, ornamentada por esculturas, bem sinalizada e iluminada. O mesmo acontece em relação à Mogi-Dutra e Mogi-Bertioga. Mas não é possível dizer o mesmo em relação à Estrada do Pavan, sem acostamento e com asfalto de má qualidade, ondulações, sinalização e iluminação precárias. Também não é nada interessante a chegada da cidade pela Mogi-Salesópolis, quando o motorista se aproxima da Avenida Miguel Gemma, com seus eternos problemas de pavimentação, que se estendem pelos mandatos dos mais recentes prefeitos que por aqui passaram. Que tais constatações sirvam como alerta. É hora de a cidade se preocupar um pouco mais com esses dois acessos, que deixam muito a desejar. Garantir mais segurança aos motoristas e pedestres e dar à cidade uma imagem condizente com seu status de mais importante município do Alto Tietê.

Maria I. Ferreira Brajal

Mogi das Cruzes, SP

Vacinas

Grande parte da população brasileira tomou a vacina contra a gripe, em todo o berritório nacional.

E pensar que Oswaldo Cruz quase foi linchado quando quis vacinar o povo contra a febre amarela, no início do século XX.

Os pioneiros sofrem em todas as áreas do conhecimento e da vida!

Viva Oswaldo Cruz!

João Baptista Herkenhoff

jbpherkenhoff@gmail.com

E a estação?

Oportuno o comentário feito na coluna Informação acerca dos 100 primeiros dias do governador João Doria Júnior (PSDB). Foi muito bom que ele se preocupasse em liberar o Expresso Leste em todos os horários até Mogi das Cruzes, mas foi lembrado também que o a estação ferroviária de Mogi continua esperando a prometida revitalização ou reforma, que o governo estadual projetou há muito tempo.

Será que teremos de esperar muito mais tempo para termos um prédio decente e confortável, com escadas rolantes interligando ao terminal rodoviário central? Espero que o mesmo estilo adotado em relação ao Expresso sirva para resolver de vez a questão da estação.

João Bernardino Tavares

Jobertav2001@gmail.com