SOLIDARIEDADE

Ações em Mogi ajudarão famílias mais necessitadas durante a pandemia

TRABALHO Equipe de voluntários do Fundo Social recebe doações de alimentos para distribuição a famílias. (Foto: Elton Ishikawa)
TRABALHO Equipe de voluntários do Fundo Social recebe doações de alimentos para distribuição a famílias. (Foto: Elton Ishikawa)

Os números de março do Ministério de Desenvolvimento Social mostram que em Mogi das Cruzes há 24.001 famílias em situação de pobreza ou extrema pobreza. Ou seja quem têm renda de até R$ 178,00 mensais per capita. A Câmara dos Deputados, em Brasília, aprovou anteontem o projeto do auxílio emergencial, com o valor de R$ 600,00 para autônomos e possibilidade dos atendidos pelo Bolsa Família o trocarem por este novo benefício, caso seja mais vantajoso.

Enquanto o recurso não chega, outras ações visam garantir o básico a essa parcela da população, que também tem o direito de fazer a quarentena. O Fundo Social de Solidariedade de Mogi iniciou uma campanha para arrecadar alimentos, a fim de montar cestas básicas e levar até essas pessoas.

A primeira-dama e presidente do Fundo Social, Karin Melo, explica que foi montado um comitê gestor da campanha, após reunião na noite de anteontem (leia matéria nesta página). A força-tarefa está cruzando os dados de famílias que recebem o Bolsa Família e também de idosos na cidade, para definir aquelas que vão receber os produtos.

META Karin Melo conta que entrega começará na próxima semana. (Foto: arquivo)

“Os voluntários que a gente tem no programa da Família Solidária vão nos ajudar na separação e montagem dos kits, e também na distribuição. Fizemos um encontro com os alimentos que a gente retirou das creches e escolas, para começarem a separá-los. Na segunda-feira, juntaremos os alimentos que são da merenda e começaremos a montar as cestas”, detalha Karin. A expectativa é de que a distribuição dos kits tenha início na próxima semana.

As pessoas interessadas em ajudar a equipe devem se cadastrar pela internet no programa Família Solidária. Depois, elas entram em uma lista de transmissão em que recebem as informações sobre a realização das ações. As dúvidas podem ser esclarecidas pelo WhatsApp do Fundo Social, no telefone 97407-8411.

Já os interessados em doar alimentos ou produtos de higiene pessoal podem levá-los ao endereço da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, na rua Braz Cubas, 470, no Centro. No local, há uma estrutura de drive-thru, em que os voluntários recebem a doação, sem precisar que a pessoa desça do veículo.

“A gente também pede às pessoas que doem roupas. Não precisam ser muitas, mas o necessário para a nossa ação que será desenvolvida com pessoas em situação de rua”, explica Karin.

A Campanha do Agasalho prevista para começar no próximo dia 31 de março foi adiada. Segundo ela porque não há como fazer a triagem das peças para saber se estão contaminadas ou não. “A hora em que tivermos uma normalidade, voltaremos a divulgar o que faremos. A compra dos cobertores já tinha sido iniciada, mas o recebimento das roupas fica suspenso”, diz a presidente.

Por fim, Karin pontua duas situações: para que as pessoas deixem de compartilhar notícias falsas, porque são desserviço no combate ao novo coronavírus. E também que toda a ajuda proposta pelo Governo Federal é bem-vinda, mas precisa ser efetivada. “O momento é de colocar em prática essas ações, porque muita coisa vem sendo falava, mas que ainda não foi materializada”, diz.


Deixe seu comentário