INFORMAÇÃO

Acordo de cooperação vai evitar desastres naturais

VISITA O condutor e sua charrete experimentam transitar pela Avenida das Orquídeas, nova ligação entre Mogi das Cruzes e a cidade de Suzano. (Foto: arquivo)

Centro Nacional irá monitorar áreas de risco mogianas

A Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes firmou convênio de cooperação técnica com o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), órgão do governo federal, que deverá colocar a cidade no âmbito do projeto Pluviômetros nas Comunidades, destinado a assegurar instrumentos necessários à prevenção das comunidades que vivem junto a áreas de risco. Um dos benefícios do convênio será a acessibilidade a dados pluviométricos em tempo real, possibilitando a mobilização da comunidade em casos de excesso de chuvas ou enchentes. A cooperação irá auxiliar, fundamentalmente, o trabalho da Defesa Civil, buscando minimizar ou até impedir a ocorrência de tragédias motivadas por fatores ligados à natureza. Por meio de uma parceria que envolverá também a Universidade de Mogi das Cruzes, Mogi receberá, simultaneamente, informações coletadas por meio de um pluviômetro, que será monitorado por técnicos da UMC, os quais orientarão funcionários municipais sobre os riscos que poderão atingir a cidade. A facilidade na obtenção dessas informações privilegiadas de órgãos especializados vai permitir à Prefeitura, por meio da Defesa Civil, criar um sistema planejado de prevenção e apoio a pessoas que residem em pontos críticos, como áreas ribeirinhas e regiões alagadiças em razão de enchentes ou vazamentos de barragens. Segundo o secretário Daniel Teixeira de Lima, de Meio Ambiente, após a formalização do convênio com o Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações, até setembro os equipamentos estarão montados e os operadores da Prefeitura e UMC devidamente capacitados para que o sistema possa ser utilizado no próximo ciclo de chuvas, neste final deste ano.

Planos

O secretário Dirceu Lorena de Meira, de Serviços Urbanos, tem encontro marcado, às 9 horas de hoje, na Ilha Marabá, com moradores do bairro do Mogilar. Promete apresentar uma série de serviços que a Prefeitura de Mogi das Cruzes pretende realizar naquela localidade. O presidente da Associação dos Amigos do Mogilar, José Arraes, convida para a reunião.

Sugestão – 1

O veterano engenheiro Jamil Hallage, 93 anos, vibrou com a notícia sobre o monumento “Siderurgia Mogiana”, de Rodrigo Bittencourt, em fase de montagem na avenida Francisco Rodrigues Filho, no trevo de acesso a César. E ligou para a coluna sugerindo que seja convidado para a inauguração da obra, no próximo dia 20, algum membro da família Jafet, responsável pela instalação da Mineração Geral do Brasil, primeira siderúrgica da Cidade, no início da década de 40, ou algum antigo funcionário da empresa que ainda viva no município

Sugestão – 2

A coluna sugere que o convite seja estendido também ao próprio Hallage, que deixou São Paulo para trabalhar na Mineração e aqui permaneceu, tendo participado direta e ativamente da vida da cidade, como engenheiro, na construção da Mogi-Dutra, Mogi-Bertioga e da Avenida Perimetral, entre outras grandes obras.

Na novela

Tem mogiano atuando na novela “A Dona do Pedaço”, mostrada no Alto Tietê pela TV Diário. Kainan Ferraz, 25 anos, que chegou à Globo após tentar a carreira de goleiro de futebol, encarna Lucas, namorado do mordomo Jardel, que terá fim idêntico ao do serviçal: será assassinado por Josiane (Agatha Moreira), sendo empurrado do alto de um prédio. A passagem pela novela promete ser rápida, coisa de cinco capítulos, porém marcante.

O fato de muitos políticos de sucesso serem mentirosos não é exclusivamente reflexo da classe política; é também do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível, só os mentirosos podem satisfazê-las

Thomas Sowell, 89 anos, economista, crítico social, filósofo político e autor liberal conservador