INFORMAÇÃO

Advogado oferece saída para o caso do pedágio

Mogiano sugere que estrada seja agregada à concessão da Ecorodovias

O advogado Renato de Lima Júnior é um daqueles mogianos da gema, que hoje, por força da profissão, reside em Valinhos, na região de Campinas. Ele saiu de Mogi, mas Mogi – ainda bem – não saiu dele, como mostra o comentário enviado à coluna sobre a polêmica do pedágio na Mogi-Dutra: “Diante de tantas opiniões, abalizadas ou não, sobre a questão da implantação de praça de pedágio no Km. 45 da Mogi-Dutra, no contexto da futura concessão a ser implantada, vou também dar a minha opinião, ainda que estando longe da cidade. Não faz sentido algum onerar os usuários da principal ligação rodoviária entre Mogi das Cruzes e São Paulo apenas para obter o equilíbrio econômico-financeiro de uma concessão cujo principal pacote de obras está previsto para ser implantado na região de Miracatu, localizada a mais de 200 quilômetros da praça de pedágio que se pretende instalar indo pelo trecho concedido. As obras que se propõe sejam feitas à título de contrapartida, no distrito de Braz Cubas, me parece que são absolutamente desnecessárias. Acredito que a melhor solução seria o trecho concedido se iniciar na Vila Moraes, com a implantação de uma praça de pedágio no alto da Serra do Mar, após os bairros, para cobrança exclusiva dos que se dirigem ao litoral, devendo o poder concedente refazer as contas para que o equilíbrio econômico e financeiro da concessão seja obtida através da cobrança de pedágio em outras praças. Quanto à Mogi-Dutra totalmente duplicada, me parece que o ideal é que seja a mesma agregada a concessão da Ecorodovias, que teria a responsabilidade apenas da manutenção e de obras relativamente pequenas nas duas pontas da estrada (ligação com a Dutra e duplicação da Estrada do Pavan). Esses custos seriam facilmente incorporados aos pedágios cobrados na Rodovia Ayrton Senna, com ajustes de centavos de reais, que não causaria impacto para ninguém. Como até aqui não li ninguém apresentando este tipo de proposta, segue para seja ponderada pelas autoridades envolvidas no assunto.”

No “Estadão”

A edição digital de ontem do jornal O Estado de S. Paulo trouxe ampla reportagem sobre ações de municípios contra pedágios que o governo estadual está implantando pelo interior do Estado. O destaque maior é dado à mobilização de Mogi que está movimentando os mais diferentes segmentos da comunidade contra a obra que irá cobrar tarifa de quem se locomove dentro do próprio município. Além de Mogi, São Carlos e Taquarituba reclamam do isolamento causado pelas fontes arrecadadoras do Estado.

Prato do dia

Um encontro para dar o que falar nos meios políticos locais. O casal Gondim Teixeira e Jane Hallage e o vereador Caio Cunha (PV) almoçaram juntos, nesta semana, no Restaurante Cantagalo. O prato do dia pode ter sido dobradinha. Não aquela à base de feijão branco, bucho, paio e afins. Mas uma possível união de forças para a disputa da Prefeitura Municipal, nas eleições do próximo ano. Como ambos têm perfil de candidatos, resta saber quem poderá ser o vice de quem.

Futuro

Os integrantes do PC do B de Mogi, com o vereador Jean Lopes à frente, reúnem-se, amanhã, a partir das 10 horas, no Auditório da Câmara Municipal para eleger a Executiva e Secretaria do partido. Junto com isso, uma discussão mais aprofundada acerca da participação do partido nas eleições do próximo ano na cidade. E como ninguém é de ferro, a primeira reunião da Direção Municipal, vai terminar com uma confraternização de final de ano entre os comunistas locais.


Deixe seu comentário