RESULTADO

Agentes de trânsito analisam fluxo de veículos para possíveis ajustes no trânsito do Shangai

Motoristas ainda estão se adaptando às mudanças do trânsito na região do Shangai. (Foto: Henrique Campos)
Motoristas ainda estão se adaptando às mudanças do trânsito na região do Shangai. (Foto: Henrique Campos)

Em um primeiro momento, o tráfego de veículos e pedestres na região do Shangai parece fluir bem desde que as mudanças foram implantadas no local, na tarde da última terça-feira. Esta é a avaliação inicial do secretário municipal de Transportes, José Luiz Freire. Entretanto, as fortes chuvas que têm caído nos últimos dias geram reflexos em diversos pontos de Mogi das Cruzes e por ali não é diferente. O chefe da pasta explica que até sexta-feira, os agentes de trânsito estarão observando a área para que possam verificar a necessidade de possíveis ajustes.

Com as alterações, é importante que os motoristas estejam ainda mais atentos. Em algumas vias, as chuvas torrenciais impediram que a sinalização fosse reformulada. Na Rua Padre João, por exemplo, uma seta pintada no chão indica que é possível virar para a esquerda na Rua Navajas. Com a mão desta via invertida – ela agora vai no sentindo centro-bairro -, os veículos podem apenas virar à direita. Freire garantiu que assim que o tempo se firmar, isso mudará.

Na terça-feira, o secretário revelou que ficou no Shangai até as 21 horas. Neste período, já notificou e solicitou algumas intervenções. Na Navajas, em frente à Praça João Antônio Batalha, ele pediu para que a pista fosse dividida em três faixas, sendo duas para quem vai acessar a passagem subterrânea Engenheiro Osvaldo Crespo de Abreu, o Buraco do Padre, e outra para quem vai virar à direita na Rua Olegário Paiva.

Já sobre o tempo de semáforo, Freire lembra que o movimento mais intenso é na Olegário Paiva, com o fluxo de veículos que entram e saem do túnel, por isso a via terá um tempo maior com os faróis verdes se comparado com o sinal da Navajas, por exemplo. Os equipamentos, inclusive, foram todos sincronizados, para que a saída da passagem subterrânea não fique congestionada e o trânsito tenha maior vazão.

“Na nossa pirâmide de prioridades, o pedestre sempre estará no topo. Agora, vamos observar para ver se ainda precisa de alguma melhoria, porque é cedo para chegar a uma conclusão. Mas já sabemos que precisamos implantar a acessibilidade na faixa de pedestres e em breve faremos isso”, concluiu Freire.