ÉRIKA CRISTINA DA SILVA

Ajudar ao próximo é seu lema

Médica pós-graduada em antroposofia e prestes a concluir a especialização em psiquiatria, Érika Cristina da Silva dedica boa parte da agenda profissional para atender portadores de necessidades especiais e comunidades, seja em São Paulo, na África ou em Mogi das Cruzes
Médica pós-graduada em antroposofia e prestes a concluir a especialização em psiquiatria, Érika Cristina da Silva dedica boa parte da agenda profissional para atender portadores de necessidades especiais e comunidades, seja em São Paulo, na África ou em Mogi das Cruzes

Formada em medicina, pós-graduada em antroposofia e prestes a concluir a especialização em psiquiatria, a mogiana Érika Cristina da Silva de Oliveira exerce, além dos atendimentos clínicos, outra atividade: o voluntariado. Afinal, ela acompanhou por longo tempo os trabalhos do ambulatório da Comunidade Monte Azul, na Capital, esteve cuidando de crianças desnutridas na África no último mês de maio e atua regularmente na Unidade de Saúde da Família, no Jardim Piatã, em Mogi.

Embora não soubesse exatamente o porquê, desde a infância Érika sentia que deveria tornar-se médica. Seguindo este instinto, ela iniciou a jornada de estudos na área da saúde assim que terminou o Ensino Médio, aos 17 anos, quando escolheu cursar Biomedicina pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC).

Ao longo dos cinco anos de faculdade, Érika estagiou em diferentes laboratórios, e em certo momento foi contratada em dois deles. Ou seja, além de estudar a noite, a mogiana trabalhava pela manhã e à tarde. Ela só foi diminuir o ritmo depois de formada, quando se dedicou exclusivamente a um cursinho preparatório para o próximo vestibular, de medicina.

Na sequência, em 2006, Érika deixou Mogi para cursar a nova graduação pela Faculdade de Educação Física de Santos (Unimes). Durante os quatro primeiros anos de estudos ela pensava em atuar na área de ginecologia e obstetrícia, o que só foi mudar no primeiro dia de internato, quando interagiu com os pacientes da ala de psiquiatria.

Curiosa por decifrar o comportamento daquelas pessoas, ela decidiu que seguiria esta área e passou a consumir conteúdos sobre o tema, em pesquisas, livros, palestras e workshops. O esforço deu certo, e antes de se formar Érika chegou a atuar na ala psiquiátrica da Santa Casa de Santos, além de atender no pronto-socorro de diferentes hospitais.

Algum tempo depois de formada, em 2013 Érika deu início a primeira pós-graduação da carreira, em antroposofia, pela Associação Brasileira de Medicina Antroposófica, em São Paulo. Por lá, ela teve acesso a técnicas de terapias diversas e imersões variadas, como para o estudo de arte e insumos minerais e vegetais, além de conhecimentos da natureza, do ser humano e do universo, de modo geral.

Nessa mesma época, a mogiana passou a atuar voluntariamente acompanhando os atendimentos psiquiátricos no ambulatório da Comunidade Monte Azul, na Capital, e também trabalhava no pronto socorro de um hospital na cidade de Guarujá.

No entanto, os estudos de Érika foram pausados por uma temporada na Irlanda do Norte, onde trabalhou como voluntária na comunidade Camphill Mourne Grange, que trata de portadores de necessidades especiais e prevê o compartilhamento de experiências profissionais e espirituais com pessoas de todo o mundo.

Ao retornar para o Brasil, além de continuar a pós em antroposofia, a médica começou também outra especialização, em psiquiatria, pela Faculdade do Instituto de Pesquisa e Ensino Médico de São Paulo (Ipemed). E ao fazer isso, ela voltou a se sentir entusiasmada em descobrir os mistérios da mente humana, assim como no internato da graduação.

Em fevereiro deste 2018, Érika deixou a Capital e voltou às raízes, a Mogi das Cruzes. Portanto, deixou, pelo menos temporariamente, de acompanhar a Comunidade Monte Azul, mas passou a atender no pronto-socorro do Hospital Ipiranga. Ela também esteve em diferentes UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), como as do Rodeio e Jardim Universo, sendo este último o bairro em que viveu quando menina, ao lado dos pais, que são empresários no ramo do entretenimento.

No último mês de maio, a médica esteve em Madagascar, na África, ajudando na recuperação de crianças desnutridas pela organização Fraternidade sem Fronteiras. Segundo ela, questões humanitárias fazem parte de sua missão. Tanto é que, na Cidade, Érika desempenha funções na Unidade de Saúde da Família, no Jardim Piatã, onde atende, durante o meio da semana, casos variados proteção e recuperação da saúde das famílias cadastradas. E além de tudo isso, ela também atua em uma clínica particular e faz atendimentos a domicílio.

Para a mogiana, ganhar o dia é sinônimo de atender as necessidades médicas das pessoas, já que cada atendimento é uma troca. Ela oferece cuidados e carinho, e os pacientes devolvem lições de vida. Como Wilson Pereira Silva, assistido por ela no Jardim Piatã. O rapaz teve paralisia infantil, mas supera todas as dificuldades físicas ao realizar as atividades domésticas normalmente, sem se lamentar.

Assim, aos 37 anos Érika revela que para 2019, ano em que deve concluir a especialização em psiquiatria, ela quer voltar a fazer mais imersões antroposóficas, para ter acesso a mais técnicas de terapia. Além disso, quer viajar mais e se conectar mais com as artes, atividades que tem como hobbies.

CURTO-CIRCUITO

Viver em Mogi é… pertencimento

O melhor da Cidade é… estar mais próxima da família e amigos

E o pior? As enchentes no início do ano

Sinto saudade… das minhas avós

Encontro paz de espírito… na natureza

Pra ver e ser visto… independentemente da religião, Alvorada do Divino Espírito Santo

Meu prato preferido é… o que estiver à mesa

Livro de cabeceira… qualquer um ligado a arte

Peça campeã de uso do meu guarda-roupa? Jeans

O que não tem preço? Saúde, paz e amor

Uma boa pedida é…

É proibido… proibir

A melhor festa é… a que está rolando

Convite irrecusável… viajar

O que tem 1001 utilidades? Água (limpa, hidrata, abençoa, faz barulho, cura)

Meu sonho de consumo é… bem estar sempre!

Qual foi o melhor espetáculo da minha vida? Ter nascido

Cartão-postal da Cidade… vista panorâmica da Cidade ao descer a Mogi-Dutra

O que falta na Cidade? Bicicletários

Qual é a química da vida? Boas risadas

Deus me livre de… baixo astral