Akimatsuri tem balanço positivo

Programação cultural é considerada um dos pontos altos da Festa de Outono, no Bunkyo / Foto: Divulgação
Programação cultural é considerada um dos pontos altos da Festa de Outono, no Bunkyo / Foto: Divulgação

A 31ª Festa de Outono – Akimatsuri, considerado o segundo maior festival japonês do Estado, recebeu um público de 85 mil pessoas nos dois finais de semana do evento encerrado anteontem. O resultado foi considerado “um sucesso” pelos organizadores por ter se aproximado das previsões iniciais de 90 mil visitantes ao Centro Esportivo do Bunkyo, no Bairro da Porteira Preta. O balanço foi divulgado ontem pelo presidente da entidade, Frank Tuda, que também comemora o saldo positivo dos negócios fechados pelos expositores nos estandes, apesar dos tempos difíceis para a economia.

“Pela crise financeira nacional que estamos passando, foi excelente. Inclusive, o segundo final de semana superou as expectativas”, disse Tuda, ao destacar o volume de pessoas que passou pelo local nos quatro dias do evento. Ele, no entanto, preferiu não falar em número de negócios fechados e informou apenas que grande parte dos expositores saiu no lucro. “A maior parte deles já participa há muitos anos do Akimatsuri e sabe que os resultados são sempre positivos devido ao público significativo”, destaca.

De acordo com o presidente do Bunkyo, as mudanças no pavilhão dos produtores para um local estratégico, no meio do recinto, também conseguiu atrair um número maior de visitantes. Ele conta que foram feitas pesquisas que comprovaram que apenas 50% das pessoas visitavam o pavilhão, que ficava em local mais afastado, no ginásio de esportes. “Constatamos então que não compensava o custo para montar uma estrutura como aquela para não ser vista, por isso fizemos a mudança”, esclarece. Os resultados foram positivos, porque as pessoas tinham que passar próximo ao espaço de exposição para chegar à Praça de Alimentação e ao palco onde ocorreram as apresentações artísticas. Tuda destaca a experiência de montar barracas para vender produtos com preços mais baixos, diretamente do produtor. (Silvia Chimello)

Leia a matéria completa na edição impressa


Deixe seu comentário