PANDEMIA

Alto Tietê contabiliza mais 13 mortes por Covid-19

Desde o início de abril, quando foi implantado, o novo serviço já atestou 45 óbitos domiciliares, , incluindo casos suspeitos do novo coronavírus. (Foto: divulgação)

Na véspera do início da flexibilização da quarentena na região – imposta há três meses para mitigar a disseminação do novo coronavírus -, o Alto Tietê registrou mais 13 óbitos atrelados à Covid-19, sendo um em Mogi das Cruzes, e chegou a 478 vítimas fatais da infecção. Os números são maiores do que a comparação com o dia anterior, quando 10 mortes foram oficializadas. Arujá e Biritiba Mirim não atualizaram os indicares por causa do feriado.

Nas últimas 24 horas, mais 152 moradores da região foram diagnosticados com o vírus. O total de infectados conhecidos soma 4.665. Os números podem ser maiores já que 1.745 pessoas manifestaram sintomas graves, ou são profissionais da saúde, e aguardam resultado de exames. Outras 2.478 pessoas tiveram sintomas leves ou moderados, mas ao procurarem um hospital, foram mandadas para casa sem respostas – reflexo da baixa quantidade de testes para a doença em todo o país.

São Paulo

Na semana em que o Estado de São Paulo flexibiliza a quarentena em diversas regiões, passou de 10 mil o número de mortes oficiais por Covid-19. Até a tarde de ontem, foram registrados 283 novos óbitos. No total, 10.145 vidas foram perdidas e 162.520 casos confirmados por exames, segundo informou a secretaria.

Hospitais

A pandemia do novo coronavírus ainda não apresenta fortes indícios de trégua na região se analisadas as taxas de internações nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) destinadas ao tratamento de pacientes com a Covid-19 nos hospitais estaduais do Alto Tietê. A ocupação média de ontem era de 82,6%, segundo dados fornecidos pela Secretaria de Estado da Saúde.

A situação mais crítica é vista no Hospital Santa Marcelina, em Itaquaquecetuba. A unidade conta com 95% dos leitos de UTI ocupados, segundo a pasta.

Já no Regional de Ferraz de Vasconcelos, a ocupação era de 85%, enquanto no Luzia de Pinho Melo era de 68%.

Reabertura

Em nota, o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) – que pressionou pela flexibilização da quarentena – reforça o pedido de cautela na retomada das atividades econômicas, que a partir de hoje será implantada de forma gradual na região. A direção do Conselho de Prefeitos afirma que a colaboração da população é essencial para evitar tumultos e afastar o risco do Alto Tietê voltar para a fase de restrição total.

“Estamos numa nova fase, mas a quarentena permanece porque ainda existe uma grande contaminação da doença. Por isso, a retomada das atividades será feita de forma gradual e faço um apelo para que as pessoas saiam para as ruas apenas em caso de necessidade e com toda a proteção que o atual momento exige”, ressaltou o presidente do consórcio, Adriano Leite.


Deixe seu comentário