Alvorada do Divino começa hoje

CELEBRAÇÃO  Na primeira missa da Novena do Divino, realizada ontem por dom Pedrol, devotos lotaram a Catedral de Santana / Foto: Arquivo
CELEBRAÇÃO  Na primeira missa da Novena do Divino, realizada ontem por dom Pedrol, devotos lotaram a Catedral de Santana / Foto: Arquivo

O amanhecer durante a Festa do Divino Espírito Santo de Mogi das Cruzes começa logo nas primeiras horas do dia. Neste sábado, às 5 horas, tem início a Alvorada do Divino, a primeira de uma série de nove em louvor ao Espírito Santo. A última será realizada no dia 15 de maio, quando termina a festividade religiosa e folclórica mais tradicional da Cidade. A concentração dos devotos está marcada para 4h30. A organização estima que 1,5 mil pessoas participem da primeira Alvorada.
A coordenadora da procissão, Sylvia Nazar de Abreu, explica que cada dia o cortejo tem um percurso diferente, mas sempre pelas ruas da área central. A deste sábado fará o seguinte trajeto: saída da Rua Dr. Paulo Frontim, passa pela Dr. Deodato Wertheimer, desce pelas ruas Navajas e Capitão Manoel Caetano até acessar a Dr. Paulo Frontim, chegando ao Império. “A expectativa é a melhor possível para esse dia. O que eu percebo é que a cada ano, mais pessoas participam desse momento, eu acredito que isso se deve à presença de uma autoridade religiosa, que fortalece mais a união entre os devotos”, comenta Sylvia, que completa dez anos à frente da coordenação da Alvorada.
Além disso, segundo o padre Thiago Cosmo, assessor eclesiástico da Festa do Divino, cada dia da Alvorada a oração tem uma intenção, que pode ser para os enfermos, desempregados, falecidos, crianças e idosos. “Também invocamos um dos sete dons do Divino [Fortaleza, Ciência, Conselho, Sabedoria, Piedade, Entendimento e Temor de Deus]. É uma grande manifestação de fé e devoção das pessoas. É a primeira oração do dia, e quando nós invocamos o Espírito Santo sobre o nosso dia, nós consagramos ao Espírito Santo, pedindo que Ele esteja à frente da jornada de trabalho, da casa, dos estudos. A Alvorada nos prepara para o dia da chegada do Espírito Santo”, explica o padre.

Café
Após a Alvorada, os devotos do Divino participam do tradicional café, acompanhado de pão com mortadela e biscoito. Quem cuida dessa tarefa é José Carlos Nunes Júnior e sua mulher Lilian, que foram festeiros em 2013, mas respondem pelo café desde 2008, ano em que o irmão dele, o Fernando Nunes, foi festeiro.
Neste ano, segundo José Carlos, serão servidos 14 mil pães, utilizando 300 quilos de mortadela; 350 quilos de biscoitos; e serão consumidos 70 quilos de pó de café e 180 quilos de açúcar. O café é servido no Salão Paroquial da Catedral de Santana.

Leia a matéria completa na edição impressa


Deixe seu comentário