ARTIGO

Apoio na hora certa

José Francisco Caseiro

ciesp@ciespaltotiete.com.br

Em tempos de medo e incertezas provocados pelo coronavírus, a indústria paulista encontra ainda mais apoio no Senai para enfrentar os desafios de recuperar a sua produtividade e crescer. O novo programa de gratuidade da instituição – o Bolsa 499 São Paulo -, amplia o número de vagas nos cursos ofertados pelas escolas Senai para empregados da indústria e desempregados com um objetivo principal: melhorar as habilidades dos funcionários e proporcionar uma qualificação profissional para quem está fora do mercado de trabalho.

Nas duas escolas do Senai no Alto Tietê, em Mogi das Cruzes e Suzano, o Bolsa 499 São Paulo deve liberar mais de 1.000 vagas para esse ano em cursos gratuitos de qualificação/técnico e de aperfeiçoamento/especialização.

O grande diferencial desse programa é que ele fortalece o vínculo original do Senai com a indústria, a quem cabe a missão exclusiva de indicar os alunos para os cursos gratuitos, inclusive os desempregados, oriundos de famílias que vivem na comunidade no entorno da empresa e integrantes de projetos sociais, por exemplo.

Como o próprio nome faz referência, o Bolsa 499 SP é voltado para empresas de até 499 funcionários, que são a maioria. A cota de indicações varia de 10% a 20%, de acordo com o número de funcionários.

Na Região, o Senai já definiu os cursos a serem oferecidos para as primeiras turmas do Bolsa 499. Isso significa que quando essa luta contra o coronavírus passar, a indústria do Alto Tietê terá uma importante ferramenta para melhorar as habilidades dos seus funcionários e, principalmente, contribuir com a formação de trabalhadores para atender as necessidades que o setor industrial vai demandar.

José Francisco Caseiro é diretor do Sistema Fiesp/Ciesp no Alto Tietê


Deixe seu comentário