Após descanso, o início de uma nova campanha

O prefeito Marco Bertaiolli (PSD) já sabe o que fará após deixar a Prefeitura de Mogi das Cruzes, em 1º de janeiro de 2017. Terminados os oito anos de mandato, ele espera entregar novamente o cargo para aquele que o antecedeu, o virtual candidato de seu partido, Junji Abe, para quem Bertaiolli promete que irá trabalhar – e muito – nesta campanha. Em seguida, vai descansar durante pelo menos dois meses, antes de partir para uma nova campanha eleitoral, desta vez para se eleger deputado federal, resgatando a representatividade que a Cidade perdeu desde a derradeira eleição de Valdemar Costa Neto (PR). Pela primeira vez, nas últimas duas décadas, Mogi ficou sem um representante da Cidade na Câmara Federal, algo que o prefeito tentará contornar no pleito de 2018. Sua meta é chegar a pelo menos 150 mil votos, que poderão lhe garantir uma eleição tranquila. Para conseguir tal número, Bertaiolli sabe que não poderá incorrer no mesmo erro de outros candidatos, de tentar buscar votos em todo o Estado de São Paulo. Seu trabalho, a princípio, deverá se restringir a duas regiões: o Alto Tietê, onde já é conhecido pela sua atuação como prefeito de Mogi e presidente do Conselho de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), e o Vale do Paraíba, onde também atua politicamente como coordenador político do PSD, indicado por Gilberto Kassab, e como integrante do Conselho de Desenvolvimento do Vale do Paraíba, o Codivap. Mesmo depois de haver sido sondado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), por meio do secretário-chefe da Casa Civil, Edson Aparecido, o prefeito de Mogi não pretende se ligar a algum cargo no governo estadual. Vai mesmo se dedicar full time à futura campanha, valendo-se da ajuda de alguns assessores mais diretos que ele pretende manter a seu lado, com a ajuda do PSD. O partido já incorporou em seu programa algumas ações do atual governo de Bertaiolli em Mogi e ele deverá, nos próximos tempos, promover palestras e eventos para expor o caminho das pedras a outros prefeitos peessedistas pelo País afora, em especial no Estado de São Paulo, onde está o colégio eleitoral que poderá ajudar em sua eleição.

Honra
Em resposta à lealdade demonstrada pelo seu vice-prefeito durante nos últimos oito anos de Prefeitura de Mogi, Marco Bertaiolli diz que irá se empenhar ao máximo em favor da eleição de José Antonio Cuco Pereira (PSDB) a vereador nas próximas eleições. “Irei trabalhar com todos os candidatos do nosso grupo político, mas a eleição de Cuco será uma questão de honra. Cuco será eu na Câmara”, afirmou Bertaiolli, reconhecendo a “lealdade total” de seu companheiro de dois mandatos.

Apoio
O virtual candidato a prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi (PR) conseguiu um apoio de peso para sua futura campanha. O engenheiro e diretor financeiro da Faculdade Piaget, Jorge Kowalski Salvarani, trocou o PV pelo PSL que faz parte do grupo de partidos que deverá apoiar Ashiuchi. Além do PR e PSL, integrarão a provável coligação o PT do B, Muda Brasil (MB), PRP e Solidariedade. Salvarani chegou a ser pré-candidato a prefeito pelo PV, que decidiu abandonar a candidatura própria e compor com outro partido.

Desafio – 1
Após concluir uma série de documentários em vídeo sobre pessoas de Mogi e Vale do Paraíba e concluir o recém-editado livro sobre a vida do empresário Vittorio Di Bello – “Trabalho, Dignidade e Amor a Mogi das Cruzes”, o 14º de sua carreira, o jornalista Nivaldo Marangoni retorna à Itália, na próxima semana, em busca de imagens e informações para um documentário sobre a vida do segundo bispo diocesano de Mogi das Cruzes, dom Emilio Pignoli, atual bispo emérito de Campo Limpo, na Capital.

Desafio – 2
Na Itália, Marangoni irá visitar as cidades de Cremona, Capella Pincenardi e Roma, onde dom Emílio nasceu e onde ainda vivem seus familiares. Na volta, inicia uma turnê por Ribeirão Preto, Orlândia, Brodosqui, Cravinhos, Franca, São Paulo e Mogi das Cruzes, onde o religioso passou momentos importantes de sua vida. O trabalho de coleta de material foi iniciado na última quinta-feira, quando ele passou um dia todo ao lado do ex-bispo mogiano, visitando o seu extenso arquivo fotográfico e ouvindo suas histórias de vida.

COTIDIANO

 Bispo dom Pedro Stringhini participa do plantio de árvore  no Parque Centenário, após a Caminhada Ecológica, realizada no sábado / Foto: Jonny Ueda
Bispo dom Pedro Stringhini participa do plantio de árvore
no Parque Centenário, após a Caminhada Ecológica, realizada no sábado / Foto: Jonny Ueda

FRASE

Achei que não estaria aqui para ver outro impeachment.

Sydnei Sanches, ex-presidente do supremo tribunal federal, que coordenou o julgamento de fernando collor, alegando que processo contra dilma não representa banalização do impedimento


Deixe seu comentário