SERVIÇO

Após queda da temperatura, Mogi ampliará vagas de acolhimento para pessoas em situação de rua

AÇÃO Programas atendem pessoas em situação de rua em Mogi das Cruzes. (Foto: Fábio Aguiar)

Mesmo antes do início do inverno, que começa no dia 20 de junho, Mogi das Cruzes já tem registrado baixas temperaturas durante a noite. Até amanhã, a mínima prevista é de 8º. Desta forma, as vagas nas unidades de acolhimento se fazem ainda mais necessárias. A Prefeitura já tem se preparado para isso com uma pré-operação inverno, que será iniciada no próximo dia 1º. Além disso, por conta da pandemia no novo coronavírus, a cidade já tem dois novos espaços destinados ao Serviço de Acolhimento Complementar.

Segundo a Secretaria Municipal de Assistência Social, não foi registrado nenhum óbito de pessoa em situação de rua por Covid-19 no município. Desde o início de maio, as vagas de acolhimento foram ampliadas com a criação de 100 espaços temporários, sendo 54 na escola estadual Dr. Deodato Wertheimer, na Vila Industrial, e 46 na antiga escola do Sesi, em César de Souza. Além disso, Mogi oferece outras 156 vagas no serviço permanente.

Já para o frio, a pasta afirma que sempre investiu com determinação para que estes usuários possam receber todos os encaminhamentos e insumos necessários, visando a minimização dos impactos das baixas temperaturas, a partir de ações como a ampliação de vagas e alternativas para retornos familiares, encaminhamentos a serviços da área médica, entre outras articulações.

“Ainda não foi registrado um aumento da procura em função do frio, mas, conforme planejamento, há um fluxo pré-operação inverno. A perspectiva é a abertura de 30 novas vagas para essa operação”, afirma a secretária municipal de Assistência Social, Neusa Marialva.

A chefe da pasta lembra ainda que, como nos anos anteriores – nos meses de junho, julho e agosto –, a Secretaria realiza a operação, que consiste na criação de novas vagas em acolhimento nesse período de maior frio e uma atenção maior dos Serviço de Abordagem Social, voltado às pessoas de maior idade e mais vulneráveis.

Há também a ampliação de horários, reforço na divulgação dos telefones para acionamento dos serviços, articulações com os grupos organizados pelas igrejas e associações para direcionamento e indicação de áreas de maior incidência de pessoas vulneráveis, sensibilização e mobilização junto à comunidade para informação e, se assim for necessário, acionamento do Samu e da Guarda Municipal.

Vale lembrar que os trabalhos de abordagem não podem ter caráter coercitivo e/ou compulsório. Assim, a adesão aos serviços ofertados deverá ocorrer de forma espontânea por parte das pessoas que se encontram em situação de rua.

Unidades provisórias

Na escola Deodato, as pessoas alojadas podem passar o dia inteiro na unidade, mas também têm a liberdade de sair uma vez por dia. Elas recebem, contudo, todas as orientações quanto aos cuidados necessários e precisam retornar antes das 17 horas, conforme regulamento. Caso contrário, a vaga é destinada a outro interessado.

Já na unidade de César de Souza, o conceito é do acolhimento integral e saídas só acontecem para serviços de primeira necessidade, como atendimento médico e recebimento de benefícios, mediante acompanhamento de um profissional e adotando todas as medidas de segurança, como o uso de máscaras e álcool em gel.

O Serviço Especializado em Abordagem Social atua de segunda a sexta-feira, das 8 às 21 horas, e aos finais de semana e feriados, das 8 às 18 horas. O telefone é o 97096-0923. A população pode ainda se dirigir ao Centro Pop, um equipamento da Proteção Social Especial de Média Complexidade, que está localizado na avenida José Benedito Braga, 496, no Mogilar.


Deixe seu comentário