Aprovação do atual governo dificulta cenário para oposição

Mercadão funcionará das 7 às 12h nesta quinta-feira. (foto: Arquivo)

O índice de aprovação de 74% alcançado pela administração do prefeito Marco Bertaiolli (PSD) no final de 2015 torna bem difícil as coisas para a oposição na eleição municipal de outubro. Isso porque boa parte dessa aceitação vai ser, inevitavelmente, revertida em votos para o candidato apoiado pelo chefe do Executivo. Independente de quem for o escolhido para concorrer à sucessão, ele deverá partir com, no mínimo, 20% das intenções nas urnas – esse é o percentual que, segundo os especialistas políticos, qualquer prefeito transfere para o seu candidato. No caso de Mogi das Cruzes, onde a avaliação do atual governo é bem acima da média registrada por prefeitos de cidades grandes, que gira em torno de 40%, a transferência de votos tem tudo para ser maior ainda. Há quem avalie, também, que se Bertaiolli conseguir entregar parte das obras prometidas para esse ano antes das eleições de 2 de outubro, em especial o primeiro túnel da passagem subterrânea, a sua aprovação entre os mogianos tem tudo para ser ampliada. Os pretensos candidatos da oposição terão ainda outros desafios a vencer. Um dos principais, com certeza, será a falta de recursos. O teto de gastos estipulado para a campanha deste ano é 30% menor do que o orçamento de 2012 e com a proibição às doações das empresas, os prefeituráveis terão de ser virar basicamente com os fundos partidários. Soma-se a essa dificuldade também a mudança no tempo de campanha, que derrubou de 90 para 45 dias o prazo para os candidatos se apresentarem publicamente aos eleitores. Na televisão, então, a campanha será de apenas 30 dias. Esse cenário que se coloca indica que o escolhido do prefeito para a sucessão municipal, seja ele um político conhecido ou um novato, vai sair como favorito e os seus concorrentes terão de trabalhar muito para mudar isso.

COTIDIANO

edito mercado municipal - es
As paredes danificadas e com reboco à mostra na fachada pesam contra a imagem do Mercado Municipal, referência na Cidade / Foto: Eisner Soares

FRASE

Adotamos uma série de medidas para o enfrentamento da doença, especialmente agora com essa questão do zika vírus.  Mas nada disso adianta se não tivermos a colaboração da população. Para conseguir resultados é preciso que cada um cuide de seu próprio quintal.

Marcello Cusatis, secretário municipal de Saúde sobre o combate ao mosquito Aedes aegypti