SITUAÇÃO

Associação busca soluções para o bairro do Mogilar

Grupo de moradores apresentará problemas em reunião na Prefeitura. (Foto: Eisner Soares)
Grupo de moradores apresentará problemas em reunião na Prefeitura. (Foto: Eisner Soares)

Galerias de águas pluviais, qualidade do asfalto, falta de bocas de lobo nas ruas e a passarela sobre a linha férrea são alguns dos assuntos que o presidente da Associação dos Amigos do Bairro do Mogilar, José Arraes, irá levar ao conhecimento do secretário municipal de Serviços Urbanos, Dirceu Lorena de Meira, durante audiência que irá acontecer hoje na Prefeitura de Mogi.

Entre os temas que serão debatidos com o secretário está o asfalto da Avenida Prefeitura Carlos Ferreira Lopes, nas proximidades do Extra Hipermercados, onde o afundamento progressivo da pista pode acabar afetando uma “galeria quadrada”, que drena as águas pluviais de toda aquela região, inclusive de uma nascente localizada no Shangai.

“Vamos alertar para a necessidade de um trabalho de qualidade naquele ponto para que toda aquela região do Bairro não seja prejudicada”, diz Arraes.

Próximo dali, na Avenida José Maria Albuquerque, uma via paralela à antiga Avenida dos Estudantes, onde existe uma galeria de águas pluviais e algumas nascentes, foram feitas duas valetas para conexão de esgotos. “Só que as valas continuam por lá, atrapalhando o trânsito, pois atingem boa parte da rua”, diz o presidente da Associação.

Arraes também irá manifestar sua preocupação com a limpeza da galeria que dá vazão a águas de chuvas e nascentes, no trecho da Rua Dr. Deodato Wertheimer, que corta o Bairro. Outro assunto a ser tratado no encontro: a passagem de grande quantidade de veículos pesados, assim como de automóveis, estaria, segundo Arraes, prejudicando as galerias existentes na rua, onde o asfalto é de péssima qualidade. Ali perto, na Rua José Meloni, o acúmulo de águas nas sarjetas sem bocas de lobo é outro problema para os moradores, assim como persistem o risco de infecções e mau cheiro causados pela água podre ali existente permanentemente.

Outro ponto que será tratado na reunião é a Passarela Vereador Bento Antonio de Oliveira, também conhecida como Passarela da Rua Padre João.

Arraes vai propor que seja feita uma parceria para conservação do local que está abandonado, cheio de pichações e depredações, servindo ainda como banheiro público e ponto de tráfico de drogas, além de abrigo de sem-tetos. A ideia é permitir que grafiteiros pintem o local que, dessa forma, ficará livre das pichações. E que o Veran Supermercados – que ocupou o espaço que era do antigo Maktub – cuide da limpeza e manutenção do local, já que, segundo Arraes, se utiliza gratuitamente de um espaço pertencente ao Município, como depósito para cargas e descargas.

Outro problema a ser incluído na pauta do encontro: a calçada da Escola Municipal prefeito Carlos Alberto Lopes, localizada na Rua Dr. Corrêa Neto. Ali, algumas árvores que foram plantadas para dar sombra às pessoas que vão buscar ou levar seus filhos romperam o concreto da calçada, onde uma senhora do Bairro acabou caindo e se ferindo gravemente, ao bater o rosto contra o concreto. Alertada, a Prefeitura foi até lá e arrancou a árvore e nada mais fez, deixando restos de concreto e terra, em total desnível, no local onde deveria ter sido refeita a antiga calçada. “Ou seja, o problema ficou ainda mais grave, já que agora há também o barro em dias de chuva e o risco para idosos e crianças permanece”, diz Arraes, que se mostra otimista com as soluções para os problemas do Mogilar.