MEIO AMBIENTE

Balanço aponta aumento no número de queimadas em outubro em Mogi

CLIMA O tempo seco ampliou total de incêndios em Mogi, de acordo com o Corpo de Bombeiros. (Foto: arquivo)

No mês passado, Mogi das Cruzes registrou média de 1.25 incêndio em área de cobertura vegetal atendido por dia. O número aumentou 3800%, no comparativo com outubro de 2018 – quando o município somou apenas uma ocorrência. A cidade foi responsável pelo maior número de queimadas na região do Alto Tietê pelo terceiro ano consecutivo (veja quadro). As informações são do Corpo de Bombeiros de Mogi.

Apesar do aumento entre os dois meses, o acumulado de ocorrências deste ano apresenta queda de 45 % na comparação com 2018. Até o momento, Mogi somou 210 casos, enquanto de janeiro a outubro do ano anterior, foram registrados 385 casos.

Com 49 ocorrências, julho foi o mês que registrou maior número de queimadas na cidade. Já no mesmo mês no ano passado foram atendidos 131 casos.

O 17° Grupamento do Corpo de Bombeiros de Mogi das Cruzes, localizado em Shangai, atende ocorrências em todo o Alto Tietê, com exceção de Arujá. Na região, de janeiro a outubro deste ano, a equipe contabilizou 542 ocorrências. O número é 31% menor que janeiro a outubro de 2018, quando 793 foram registradas

Mogi também lidera as ocorrências em outubro de 2019, e é seguida por Itaquaquecetuba, com 96 casos, depois Suzano, 85, Guararema 73, e Ferraz com 35. A cidade com menor número de ocorrências atendidas foi Salesópolis com 7.

Por meio de nota, o Corpo de Bombeiros explica que os incêndios provêm do descarte de bitucas de cigarro próximo à vegetação, a utilização de fogo para limpeza de terrenos, queima de lixo, fogueiras e queimadas para fins agrícolas.

A equipe orienta que ao se deparar com um incêndio florestal, a individuo deve ligar para os telefones 193 ou 190, e não supor que alguém já tenha feito o chamado. “Descreva o local do incêndio, fale devagar e claramente, e responda todas as perguntas feitas pelo atendente. Faça rapidamente uma análise geral da ocorrência verificando se há vidas em perigo, a localização dos focos, se há edificações vizinhas, topografia do terreno e direção do vento, afaste curiosos se houver”, orienta o Batalhão, por nota.

A equipe recomenda evitar jogar cigarros ou fósforos acessos às margens das rodovias, especialmente de carros em movimento, também ressalta que balões podem provocar acidentes aeronáuticos, incêndios florestais e são um perigo para refinarias e indústrias químicas. A prática é considerada crime, pela Lei 9.605.98.

Os bombeiros também listam outros cuidados necessários para evitar as ocorrências. “Evite acender fogueiras; evite qualquer tipo de queimada; quando a queimada for necessária para fins agrícolas (cana e algodão, regulamentadas por lei), avise seus vizinhos e a Polícia Ambiental, com dois dias de antecedência; não faça queimadas próximo à rede elétrica; nunca faça queimadas em dias quentes, secos ou com ventos fortes; informe onde houver fumaça, para o fogo ser combatido”, orienta por meio de nota.


Deixe seu comentário