INTERNADO NO LUZIA

Bebê espancado em Mogi tem morte cerebral decretada

Hospital Luzia de Pinho Melo conta com 12 leitos psiquiátricos. (foto: Arquivo)

O pintor Rafael Cavalcante Furlan, de 27 anos, poderá ter agravada a sua situação na esfera penal, pois o seu filho Rafael da Silva, de 4 meses e 15 dias, já sofreu morte cerebral no Hospital Luzia de Pinho Melo, no Mogilar, onde estava internado até a noite de ontem. Na tarde do último dia 6, o acusado foi preso por investigadores do 3º Distrito Policial, em César de Souza, e autuado em flagrante por tentativa de homicídio. No dia seguinte, a Justiça tornou a sua prisão em preventiva na audiência de custódia no Fórum de Mogi e desde então, ele permanece no Centro de Detenção Provisória, no Bairro do Taboão. Hoje, às 9 horas, conforme revelou no fim da tarde de ontem a O Diário o delegado titular Alexandre Batalha, será realizada a reconstituição do crime na casa da família na Rua Aristides Germano Montagnini, no Conjunto Residencial Álvaro Bovolenta.

“Quero saber detalhes do que aconteceu naquele dia e também se o bebê sofreu agressões anteriores”, afirmou a autoridade. “Preciso esclarecer as versões: o pai (Rafael) diz que a mãe (Rayane da Silva Monteiro, de 19 anos) agrediu o próprio filho. Ela, no entanto, acusa o companheiro pelo espancamento”.

Ontem, o delegado Alexandre disse que “abri novo inquérito justamente para apurar se houve a participação do casal no crime, só a de Rafael ou apenas a de Rayane. Se não ficar comprovada a agressão contra o filho de Rayane, ela pode ser responsabilizada por negligência”. Na reconstituição, o titular mobilizará 14 policiais do 3º DP e do Garra, além de uma equipe da Polícia Científica.