EDITORIAL

Boas novas para a Cultura

Um título traduz um pouco do que boa parte das pessoas viveu nos últimos meses: “o mundo se tornou uma live”. Live são as transmissões feitas pela internet identificadas como um poderoso símbolo de comunicação durante a pandemia.

A obrigatoriedade do isolamento potencializou a ferramenta usada por pessoas comuns, celebridades e empresas de mil áreas distintas – gastronomia, jardinagem, epidemiologia, ciência, veterinária, movimentos sociais, comunicação, investimentos, e até animais exóticos e proibidos (como surpreendentemente Mogi das Cruzes soube nos últimos dias).

No segmento cultural, esse fenômeno se apresenta como um possível divisor de águas. Surgiu um notável momento de empatia, aproximação e diálogo entre o fã, o público e o artista – não importando se esse músico estivesse em alta ou completamente esquecido pelo volátil tempo midiático de um sucesso.

Mogi das Cruzes acompanhou algumas boas notícias nos últimos meses, em encontros memoráveis de músicos de diferentes gerações, o ressurgimento de marcas, como o Casarão da Mariquinha e o Cecap, a articulação da categoria em torno da Lei Aldir Blanc, e inclusive a arrecadação de recursos financeiros para alguns dos profissionais que se viram sem o salário dos shows e apresentações em bares, pizzarias ou restaurantes.

As opções desenvolvidas pela classe artística tornaram visível o exercício de entretenimento, da solidariedade, da alegria e até de cura durante os tempos mais difíceis da pandemia.

Artistas e produtores culturais conseguiram deslegitimar o discurso que vinha ganhando força contra a cultura. Fizeram parte da vida das pessoas e construíram um calendário interessante, inclusive no campo oficial. Caso, por exemplo, da realização online do Festival de Inverno Serra do Itapety, que não foi eliminado da agenda da Secretaria Municipal de Cultura. Interromper certas políticas, como a dos festivais, teria um efeito ainda mais fatal na mobilização desse setor no futuro.

Outra notícia de peso foi divulgada pela Coluna Informação, do jornalista Darwin Valente, nesta semana, foi o lançamento das duas primeiras concorrências públicas para a instalação do Sesc de Mogi das Cruzes. A manutenção das etapas preparativas para a construção da unidade provisória dá sequência ao plano que irá movimentar a indústria cultural que gira a roda econômica com a geração de empregos, renda e impostos.


Deixe seu comentário