SESSÃO

Câmara de Mogi pede mais segurança na Vila Natal

Insegurança é tema de debate na Câmara Municipal de Mogi das Cruzes (Foto: arquivo)

O problema com a segurança pública em Mogi das Cruzes foi um dos temas abordados pelos vereadores que participaram ontem do pequeno expediente, espaço criado pela Câmara para o debate de vários assuntos da cidade. Os parlamentares repercutiram a reportagem publicada ontem em O Diário e pediram reforço no policiamento na região do Serviço Social da Indústria (Sesi) da Vila Natal, para dar mais tranquilidade aos alunos que estão sendo abordados por pessoas suspeitas nas proximidades.

Um dos que se manifestaram durante o debate, que acontece sempre a partir das 14h, às terças e quartas-feiras, uma hora antes do início da sessão ordinária, foi o vereador Edson Santos (PSD). Ele pediu à Polícia Militar e à Guarda Municipal de Mogi um reforço na segurança naquela região.

O parlamentar disse que foi procurado por pais de alunos da unidade, “preocupados com as constantes abordagens de usuários de drogas aos estudantes”. Ele contou também que já havia cobrado providências para o problema do tráfico de entorpecentes na região da Vila Natal durante reunião com representantes da Segurança, Assistência Social, Educação, Saúde e o Conselho Municipal de Políticas Sobre Drogas, em junho.

Na ocasião, foram detalhadas algumas ações previstas para coibir o problema. “Estamos reforçando este pedido, para que se tenha mais efetividade nestas ações, pois com a inauguração do novo Sesi, os alunos, pais, professores e funcionários da unidade estão se sentindo inseguros”, destacou o vereador, que encaminhou ofícios à Prefeitura e ao comando da PM.

O vereador Rodrigo Valverde (PT) também falou sobre o tema e citou a repercussão do caso nas redes sociais, com comentários de pessoas que criticaram o local onde a nova escola foi construída, próxima ao condomínio de alto padrão Real Park e da Vila Oliveira, bairro de classe média alta, e ao lado de bairros considerados de alta vulnerabilidade, como o Jardim Nova União e Vila Natal.

“As pessoas estão dizendo que a escola foi construída em local errado. Mas não é por aí, porque há casos semelhantes no shopping, próximo das universidades, no Centro Cívico. Não é o local, mas sim a causa que gera esses efeitos. Se o Estado não investir em educação, ocupação e planejamento familiar, os efeitos serão repetidos em toda a cidade. Os jovens precisam de oportunidade, educação, renda, profissão e ocupação”, destaca.

O petista aproveitou para pedir que o prefeito desengavete o anteprojeto que encaminhou com a proposta de instalação na cidade de um serviço nos mesmos moldes da antiga Guarda Mirim, que oferecia atividade remunerada para adolescentes atuarem em vários setores.

Feira do rolo

O vereador Antônio Lino (PSD) criticou a falta de fiscalização em espaços onde acontecem as feiras na cidade, especialmente a de Jundiapeba, aos domingos. Ele pede mais empenho por parte da Secretaria Municipal de Segurança Pública para acabar com a conhecida “feira do rolo”, atividade paralela realizada no local, onde são comercializados produtos sem nota fiscal e de procedência duvidosa, que acaba atrapalhando os outros feirantes legalizados.

Além de trabalhar com material pirateado, Lino alega que essas pessoas se instalam em vários locais, em frente das residências, entrada de garagens, atrapalhando a vida dos moradores. Ele afirma ainda que enquanto muitos comerciantes mogianos lutam para conseguir uma licença, quem atua com ‘rolo’ vem de outras cidades para vender seus produtos livremente nas feiras de Mogi por falta de fiscalização”.