INFORMAÇÃO

Câmara se posiciona em relação a guarda agredido

Documento será enviado a Doria e ao secretário de Segurança, entre outros

A Câmara Municipal de Mogi das Cruzes aprovou, ontem, por unanimidades, uma moção de repúdio ao ato de violência contra dois guardas municipais, covardemente agredidos por integrantes de um grupo que se aglomerava no interior do Parque Botyra Camorim Gatti, na área do Centro Cívico, durante a madrugada do último sábado. O documento será encaminhado ao governador João Doria (PSDB); ao secretário de Estado da Segurança Pública, general João Camilo de Campos; além de autoridades da cidade, como o prefeito Marcus Melo (PSDB), aos comandos da Polícia Militar e ao secretário municipal de Segurança. O documento começa lembrando que o Parque Botyra é uma área destinada ao lazer de diferentes faixas etárias e que além da sede da própria Guarda, tem espaço para exercícios físicos e outras atividades. A moção lembra que na madrugada do último dia 18, “o local deixou de ser uma are de lazer e diversão para se transformar num ponto onde imperava o desregramento e o desrespeito, não só aos equipamentos públicos ali existentes, mas também aos demais munícipes, que não podiam transitar pelo local por conta do tumulto que ali se formou com a aglomeração de pessoas e som alto”. Atendendo a um chamado, “dois guardas municipais que se dirigiram ao parque a fim de manter a ordem pública e foram atacados pelos jovens infratores que lá se encontravam, os quais espancaram e humilharam um guarda civil municipal de 56 anos, além de depredarem a sua viatura.” Os vereadores lembram ainda que “tal situação infringe não só o ordenamento jurídico existente, tais como a Lei do Silêncio e o Código Penal, mas também contraria os decretos municipal e estadual e a legislação de proteção e prevenção à pandemia de Covid-19”. O documento lembra ainda o esforço dos guardas municipais para ajudar a “preservar a segurança pública” no município.

Repúdio

A Câmara Municipal de Mogi das Cruzes também já havia, na semana passada, aprovado moção de repúdio aos atos de violência cometidos por agentes públicos ligados à Polícia Militar, especialmente na Capital. “É inadmissível que em pleno Século 21, ainda se tratem seres humanos de forma medieval, como se é noticiado quase todos os dias; é preciso que as autoridades coloquem um freio urgente nesta escalada de violência contra os mais pobres e que a Polícia Militar seja conduzida para a sua verdadeira missão que é a de proteger o cidadão”, afirma o autor da proposta, vereador Iduigues Martins (PT).

Visitas

Não foi somente com o atual prefeito e virtual candidato à reeleição Marcus Melo (PSDB) que o deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) falou sobre política nos últimos dias. Ele também esteve com o ex-deputado Valdemar Costa Neto (PL) e fez até uma visita ao ex-prefeito Junji Abe (MDB), com quem andava estremecido, desde as eleições passadas. Com todos eles, falou sobre eleições, avaliando o panorama eleitoral do município de Mogi das Cruzes.

Concorrência

Uma irregularidade que já dura perto de 40 anos pode estar prestes de ser corrigida, em Ferraz de Vasconcelos. A Prefeitura vai abrir concorrência pública, a partir de hoje, para escolha da empresa de ônibus que irá operar no município. Durante todo esse tempo, a empresa Radial Transportes vem operando nas 16 linhas, onde são transportados, em média, 15 mil passageiros/dia, sem licitação, o que contraria o estabelecido pela legislação em vigor. Muita confusão na área da Justiça já aconteceu nos últimos tempos. E agora, espera-se, a questão será definitivamente resolvida.

Carretas

A propósito do comentário divulgado ontem acerca dos caminhões estacionados em vias próximas à praça Assumpção Ramirez Eroles, no Nova Mogilar, a coluna recebeu do vereador Edson Santos (PSDB) cópias de solicitações feitas por ele à Prefeitura de providências para o problema. Numa delas, o diretor do Departamento de Trânsito, em 2019, Leandro Barcellos, confirma a infração ao artigo 54 a Lei Municipal nº 6.562/2011, segundo a qual empresas são obrigadas a possuir áreas e estacionamento próprio para a guarda de veículos, “não sendo permitido o uso da via pública para estacionamento.

Frase

Quando todo mundo quer saber, é porque ninguém tem nada com isso.

Millôr Fernandes (1923-2012). desenhista, humorista, dramaturgo, escritor, poeta, tradutor e jornalista brasileiro


Deixe seu comentário