APÓS A CHUVA

Campanha arrecada fundos para restaurar o telhado do Santuário Senhor Bom Jesus, prejudicado por infiltrações

HISTÓRIA Antigo problema evidenciado pelo temporal requer reparo emergencial no Santuário Bom Jesus. (Foto: Eisner Soares)

Os 102 milímetros de chuva que caíram sobre Mogi das Cruzes há uma semana evidenciaram um problema de infiltração no Santuário Diocesano Senhor Bom Jesus, conhecido popularmente como igreja de São Benedito, na rua Dr. Ricardo Vilela. O padre Marcos Sulivan conta que após os 45 minutos de chuva intensa, o interior da antiga construção ficou alagada. Muita água caiu dentro do templo construído entre o final do século XVII e o início do século XIX. Para conter os problemas, a comunidade busca parceiros e doações financeiras.

O padre já havia identificado duas infiltrações no prédio. Segundo ele, havia comentado uma semana antes com os fiéis sobre a necessidade de iniciar uma campanha para a busca de recursos financeiros e a realização de obras. “Eu até diria que o telhado é o problema mais grave que existe hoje no santuário. A gente sabe que as paredes são de taipa de pilão e que duram por centenas de anos, mas isso se não tiver contato com a água. Então essa é uma situação que nos preocupa bastante”, ressalta.

URGÊNCIA Padre Marcos Sulivam destaca a necessidade de reforma em telhado do Santuário Bom Jesus. (Foto: arquivo)

Ao analisar a situação da cobertura, o padre percebeu que as telhas de barro estão bastante irregulares, algumas até instaladas ao contrário. Há casos em que foi utilizada uma massa que levou a telha a rachar. Já a estrutura de madeira que sustenta o telhado está em bom estado de conservação. Duas arquitetas estão fazendo orçamentos para descobrir o quanto a obra deve custar, segundo contou.

“As partes mais afetadas estão do lado direito, onde ficam o altar de Nossa Senhora Aparecida e o Santíssimo. Eles são fixos nas paredes, então não tem como removê-los de lá. Mas a gente pretende começar essa obra o quanto antes”, detalha o padre.

Em 2018 foram concluídas as obras na parte externa e também o piso do altar. Há a vontade do religioso de que todo o templo seja restaurado, mas por se tratar de um prédio antigo e localizado no raio de 300 metros de distância das Igrejas das Ordens Primeira e Terceira do Carmo, tudo custa muito mais. Um exemplo são os vitrais da antiga construção, que foram orçados em R$ 90 mil. O projeto arquitetônico para a troca deles ficou em R$ 24 mil. E ainda colocar nessa conta a mão de obra.

“Nós temos planos de reforma geral, mas tudo tem de ser feito por passo a passo. O santuário vive do valor arrecadado na Festa de São Benedito. Ela que mantém a igreja durante todo o ano, porque a arrecadação de dízimo e coleta é muito pouca. As pessoas que frequentam o Santuário são de idade, então a arrecadação é menor”, disse.

A chuva acentuou a necessidade de se intervir na estrutura do Santuário, conhecido por suas belíssimas pinturas e arquitetura peculiar. Desde 2014, obras são realizadas para conservar e restaurar partes do imóvel.

Os interessados em ajudar o Santuário podem ir diretamente na secretaria da igreja, localizada na rua Doutor Correa, 247, no Centro, ou fazer uma transferência bancária para o Banco do Brasil, na conta do santuário. A agência é 6535-8, e a conta corrente 902.082-9. O CNPJ é o 52.580.453/0001-38.


Deixe seu comentário