Campello promete votar pela Serra no Consema

A proposta para transformação da Serra do Itapeti em cinco Unidades de Conservação Ambiental já tem pelo menos um voto favorável garantido no Conselho Estadual do Meio Ambiente: o do atual secretário-adjunto de Cultura do Estado, Romildo de Pinho Campello (PV), que representa a pasta junto ao Consema. Em conversa com a coluna, ontem pela manhã, o ex-secretário municipal de Meio Ambiente de Mogi se comprometeu a votar favorável às Unidades que, segundo ele, virão complementar e atualizar um trabalho do falecido deputado Mauricio Najar, que, 15 anos antes da atual legislação federal ser aprovada, havia criado, via Assembleia Legislativa, um importante mecanismo de proteção à principal concentração de área verde localizada dentro do trecho urbano de Mogi. Para Romildo, antigo defensor da inclusão da Serra do Itapeti no Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Snuc), tal medida passará a oferecer uma série de vantagens para a Cidade. Ele aponta inicialmente a possibilidade de serem criadas novas ferramentas para preservação da Serra, já que a Fundação Florestal do Estado poderá agir mais diretamente na fiscalização e contenção de abusos cada dia mais comuns, como ocupação desordenada, desmatamentos e outras medidas tomadas ao arrepio da lei. Tendo a maior parte de seu território como Unidades de Conservação, a Serra do Itapeti ganha não somente a proteção do Estado, assim como assegura aos municípios de Mogi, Suzano e Arujá, por ela abrangidos, a participação no ICMS Ecológico. Mogi, por manter a maior parte da Serra em seu território, deve ser o Município aquinhoado com a maior cota-parte, que segundo cálculos oficiais, chegaria a R$ 700 mil, valor que poderá ser empregado na conservação do próprio espaço, pela Prefeitura de Mogi. A retomada do processo de inclusão da Serra do Itapeti no Snuc é algo que merece ser observado e acompanhado de perto pela comunidade e autoridades locais.

Ocupação
Entre os anos de 2010 e 2015 praticamente dobrou o número de construções na zona de amortecimento, o entorno do Parque Municipal de Mogi. O dado é resultado de pesquisas do projeto “Caminhos do Itapeti”, que será esmiuçado em coletiva pelos pesquisadores Maria Santina de Castro Morini e Ricardo Sartorello, hoje, na UMC.

Demissão – 1
Aroldo da Costa Saraiva, homem forte das administrações do ex-prefeito Junji Abe em Mogi, não é mais o diretor-geral da Central de Convênios da Fundação do ABC, cargo para o qual teria sido indicado por um influente empresário que atua naquela região.

Demissão – 2
Segundo o jornal Diário do Grande ABC, a saída de Saraiva teria ocorrido “por ruídos entre o empresário e o núcleo duro da Prefeitura de Santo André”. A Central, que cuidava dos contratos com as prefeituras e outros órgãos públicos, era responsável por quase metade do orçamento da Fundação, estimado para 2017 em R$ 2,2 bilhões.

Cejusc
O 202º Centro Judiciário de Conflitos e Cidadania (Cejusc) do Estado foi instalado pelo Tribunal de Justiça junto ao Fórum de Salesópolis e será coordenado pelo juiz Alexandre Miura Iura. Os Cejuscs atendem gratuitamente questões processuais e pré-processuais de cobranças, regulamentação ou dissolução de união estável, guarda e pensão alimentícia, entre outras. Não há limite de valor para as causas.

Cara nova
Aos 29 anos, Lisandro Frederico (PSD), o ex-bancário que chegou à Câmara de Suzano como o terceiro vereador mais votado, em sua estreia na política, surpreendeu muita gente com seu trabalho, tanto voltado para a causa animal – sua principal bandeira –, como para outras atividades polêmicas. Votou pela rejeição das contas do ex-prefeito Paulo Tokuzumi (PSDB) e promoveu ações de combate à homofobia, violência contra a mulher, entre outras, como informou o vereador, em visita a este jornal.

Cotidiano

IRRIGAÇÃO  A horta que é cultivada por religiosos, nos fundos da Igreja da Ordem Terceira do Carmo, recebe “chuva artificial” para enfrentar a estiagem. (Foto: Eisner Soares)
IRRIGAÇÃO A horta que é cultivada por religiosos, nos fundos da Igreja da
Ordem Terceira do Carmo, recebe “chuva artificial” para enfrentar a estiagem. (Foto: Eisner Soares)

Frase
A política é quase tão excitante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra a pessoa só pode ser morta uma vez, mas na política diversas vezes.
Winston Chrchill (1874-1965), político conservador e primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial


Deixe seu comentário