ELEIÇÕES 2018

Candidata à Assembleia Legislativa, Alessandra Trindade defende maior representatividade feminina

Candidata a deputada estadual foca na implementação de políticas públicas para garantir assistência ao público feminino. (foto: Edson Martins)
Candidata a deputada estadual foca na implementação de políticas públicas para garantir assistência ao público feminino. (foto: Edson Martins)

Na eleição deste ano, o Diretório Municipal do PT de Mogi decidiu mudar a estratégia e lançar gente nova para participar da disputa, a fim de investir na formação de novas lideranças do partido na Cidade. Um desses nomes é o da candidata a deputada estadual Alessandra Trindade Shimomoto, de 31 anos, que tem como principal foco a luta pelos direitos das mulheres, com a implementação de políticas públicas para garantir melhor assistência nas áreas de saúde, mais creches e igualdade salarial.

Alessandra, que representa a “renovação política”, explica que decidiu participar da disputa a uma vaga na Assembleia Legislativa para fortalecer a representatividade feminina no parlamento e observa que apesar de ser a maior parte do eleitorado, grande parte das eleitoras acaba votando em branco ou nulo, porque não se sente representada pelos candidatos.

Ela afirma que, se eleita, lutará pela ampliação de políticas públicas para as mulheres com olhar especial à maternidade, apoio à mãe solteira, amamentação em órgãos públicos. Garante que vai combater a violência física, psicológica e obstétrica, e defender também a igualdade de gênero, direito ao aborto, além da pena para “importunação sexual”.

“Diante de tanta injustiça, desigualdade e violência contra as mulheres está na hora de nos unirmos na luta por nossos direitos”, argumenta a candidata, que critica o fato de Mogi ter elegido apenas uma mulher para a Câmara Municipal, o que na opinião dela é resultado de uma sociedade machista e conservadora, que precisa avançar nesse aspecto.

A campanha dela está sendo concentrada especialmente nas redes sociais, com a participação de amigos, familiares, grupos de mulheres e apoiadores, que ajudam na divulgação de seu nome. Lamenta a falta de recursos partidários para confeccionar o material gráfico de campanha, mas mesmo assim está convicta da sua eleição.

A militante pelos direitos da mulher explica que em princípio, seu projeto era para as eleições municipais de 2020, mas decidiu antecipar para 2018, porque percebeu que teria muito mais chances, diante da pouca quantidade de mulheres que se candidataram neste ano. Ela conta que teve incentivo das seguidoras nas plataformas sociais.

Nascida em São Paulo, Alessandra é casada com o engenheiro químico Marcelo Shimomoto, e mãe de Sophia, de 8 anos. Ela é pedagoga e jornalista com especialização em política e MBA em Comunicação Eleitoral e Marketing Político. Reside há 22 anos em Mogi, cidade natal de sua avó. Começou a trabalhar aos 14 anos com carteira assinada, foi assessora parlamentar e de imprensa de alguns políticos e também já atuou em jornais da Região.

Meu voto vai para…
“Meu nome é Marcia Sancheta, sou educadora social e tenho 43 anos. O meu voto será da candidata à deputada estadual Alessandra Shimomoto por conhecê-la e saber o quanto é uma pessoa que se interessa pelas causas que outras pessoas não dão tanta importância.

Sabemos bem como as politicas públicas voltadas à defesa das mulheres vítimas de violência são poucas em nosso Estado e no Município. Acredito que uma mulher eleita vai ter a sensibilidade e um olhar diferente para defender onde muitos não dão a devida importância. Acredito e tenho plena confiança que se Alessandra for eleita fará a diferença em nossa política. É com essa confiança que falo sobre as propostas dela para as pessoas com quem convivo, conheço e para quem tenho a oportunidade de falar sobre ela.

Conheço o caráter e a integridade da candidata Alessandra Shimomoto e sei que ela fala aquilo que consegue fazer. Esse é o motivo pelo qual meu voto, dos meus familiares e de amigos que confiam na minha indicação, com certeza será dela”.


Deixe seu comentário