CANTO DA CABOCLA

Cantoria apresenta artistas mogianos

Projeto do Canto de Cabocla recebe nomes como Dami Alves, Gui Cardoso, Waldir Vera, Paulo Betzler e Valéria Custódio entre hoje e domingo. (Foto: Divulgação)
Projeto do Canto de Cabocla recebe nomes como Dami Alves, Gui Cardoso, Waldir Vera, Paulo Betzler e Valéria Custódio entre hoje e domingo. (Foto: Divulgação)

O Canto de Cabocla continua, neste 2019, a oferecer apresentações intimistas de artistas mogianos. A programação por lá começou logo nos primeiros dias de janeiro, mas esquenta agora, nesta semana, quando se apresentam por lá nomes como Dami Alves, Waldir Vera e Valéria Custódio. A agenda também já está definida para a semana seguinte, com os projetos Sarau da Libido e Autoral no Canto.

Na verdade, o Cantoria no Canto começou ontem, com a performance de Léo Zerrah e Enio Lobo, e segue hoje, com o misto de soul, xote, forró e reggae da cantora Dami Alves. Amanhã, será a vez de Gui Cardoso apresentar sucessos da MPB e também canções autorais. Já no sábado, Waldir Vera e Paulo Betzler prometem encantar o público com repertório suave, e no domingo Valéria Custódio tocará diferentes estilos brasileiros.

Depois, no dia 17, já está confirmada a apresentação do violonista Alex Constantino, com muito samba de raiz, bossa nova e MPB. E o dia 18 será especial para quem curte moda de viola, numa noite comandada pelo músico Thiago Henrique. No dia 19, a segunda edição do Sarau da Libido, com curadoria de Aline Piovan, terá música, poesia, dança, teatro e interpretação de texto, tudo isso voltado a temas eróticos. E o dia 20 marca o retorno do projeto Autoral do Canto, com um artista ainda não divulgado.

Todas essas atividades começam às 18h30 e tem o custo de R$ 5,00 por pessoa. Essa estratégia, de iniciar os shows mais cedo do que a maioria dos endereços da noite mogiana, tem dado certo, segundo a cantora Sandra Vianna, que administra o Canto de Cabocla ao lado da irmã. “Existe em Mogi uma demanda por música autoral e alternativa, principalmente na área do Centro Histórico. São pessoas de 20 à 70 anos, inclusive casais com crianças, e o que fazemos é tentar oferecer essas experiências com preços justos”, resume ela.

Quando abriu o Canto de Cabocla, em 2017, a ideia de Sandra era que fosse uma lanchonete com música ao vivo, o que acabou se invertendo. “Hoje, nosso foco está na arte, o que aconteceu de forma espontânea. Acabamos nos tornando um grande coletivo de artistas, o que não estava previsto inicialmente, mas tem funcionado muito bem”.

Sandra conta que por isso, o ano que acaba de se encerrar foi “desafiador, mas também vitorioso”. “Não temos fomento, então não temos como pagar cachê para quem se apresenta. O que fazemos é repassar a bilheteria a eles, e assim percebemos um potencial de preservação da música autoral e de promoção do patrimônio imaterial da Cidade”.

Um dos projetos que tem esse sentido é o Autoral no Canto, organizado por Valéria Custódio e realizado pelo menos uma vez por mês, que culmina num vídeo da apresentação de canções de artistas mogianos, que vai para o YouTtube. Nesses eventos, Sandra afirma ter registrado lotação máxima. “Tem ficado até gente em pé, e reina o silêncio do público, interessado em consumir a arte”.

Para este 2019 então, além de manter a programação musical, a intenção de Sandra é expandir o leque de atividades do Canto. Para isso, ela criou uma campanha online, que visa a arrecadação de verba para uma expansão física do espaço, o que permitirá “acomodar novos projetos, como apresentações infantis e também ações de ecologia, sustentabilidade e reciclagem de lixo”. Para saber mais o link é vakinha.com.br/vaquinha/quintal-do-canto.

O Canto de Cabocla fica na Rua Barão de Jaceguai, 944, no Centro. Informações podem ser obtidas na página do estabelecimento na internet, facebook.com/cantodecabocla, ou pelo telefone 4726-8218.