REFLEXO

Casas são interditadas após temporal em Mogi

Mureta de proteção do Ribeirão Ipiranga foi derrubada pela força da água, que também causou transbordamento. (Foto: Eisner Soares)
Mureta de proteção do Ribeirão Ipiranga foi derrubada pela força da água, que também causou transbordamento. (Foto: Eisner Soares)

A Defesa Civil de Mogi das Cruzes interditou duas casas no Jardim Camila, após as fortes chuvas registradas na tarde de anteontem. Os imóveis são vizinhos. Um deles caiu por cima do outro durante o temporal, mas ninguém ficou ferido. Além disso, as equipes da Administração Municipal que formam a Operação Verão trabalhavam na limpeza de vias da Cidade e retirada das 15 árvores que caíram no Município, a maior parte delas na Vila Oliveira e no Alto do Ipiranga. Existe previsão de novo temporal para amanhã na Região. Ainda assim hoje e durante o fim de semana é esperado de que o tempo fique firme.

O volume de chuva foi de 40,5 mm e o Rio Tietê, na estação do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE), na Ponte Grande, ficou com 2,90 metros de altura. Segundo a Secretaria Municipal de Segurança, os sistemas de meteorologia previam apenas 5 mm e o volume foi oito vezes maior. O piscinão do Parque Santana atingiu 8 metros, capacidade máxima, o que equivale dizer que 90 milhões de litros de água deixaram de ir para a região central e bairros à margem do Ribeirão Ipiranga, minimizando o impacto da chuva.

Ainda assim foram registrados pontos de alagamento devido ao grande volume de chuvas na região central, principalmente na Avenida Voluntário Fernando Pinheiro Franco e Praça da Bandeira; na Vila Rubens, Avenida Governador Adhemar de Barros e na região do Mogilar.

O túnel sentido Bairro/Centro do Complexo Viário Jornalista Tirreno Da San Biagio registrou acúmulo de água devido a um problema técnico em uma das bombas. Com a diminuição da chuva, a água escoou e o trânsito foi liberado. Na Avenida Pedro Machado, a enxurrada carregou material de uma obra do Semae que está em andamento na via, prejudicando o trânsito também na Avenida Prefeito Francisco Ribeiro Nogueira.

A chuva chegou a prejudicar, ainda, o atendimento pelos telefones 153 e 156, já que o prédio da Prefeitura, no Centro Cívico, ficou sem energia, assim como vários bairros.