SANTUÁRIO

Catedral de Santana lança campanha para restauração do prédio centenário

A parte superior da Catedral de Santana apresenta condições precárias em razão do desgaste causado por intempéries e poluição. (Foto: divulgação)

A campanha pela restauração de vários setores da Catedral de Santana foi lançada, no último domingo, pelo pároco Antonio Claudio Delfino, durante a missa das 11 horas, que contou com as presenças do prefeito Marcus Melo (PSDB) e do deputado federal Marco Aurélio Bertaiolli (PSD), que se comprometeram a auxiliar nos trabalhos e conclamaram os presentes a participar das opções criadas pelo padre para ajudar na arrecadação de recursos necessários para as obras.

No sermão dominical, o padre anunciou o novo formato da festa da Padroeira, com a criação, desde agosto, de uma comissão para ajudar nos preparativos do evento.

Padre Claudio Delfino apresentou o folheto explicativo do trabalho a ser realizado, que tem dois polos fundamentais na ação pela Igreja. De um lado, a evangelização, “coração da missão católica”, e a divulgação da devoção a Santana. De outro, a atuação em busca de fundos suficientes para realizar obras de restauração em diferentes pontos da Catedral de Santana, chamada por ele de “igreja-mãe”.

Entre os projetos, já autorizados pelo bispo, dom Pedro Luiz Stringhini, está a condução da imagem de Santana pelas dez cidades que compõem a região do Alto Tietê, com objetivo de divulgar a devoção pela santa, que foi avó de Jesus Cristo.

Por fim, o padre destacou a necessidade de seu cuidar da estrutura física da Catedral, pondo fim, por exemplo, a infiltrações de água de chuva que estão afetando a parte superior do forro da igreja.

Outra preocupação do religioso é o restauro da torre do templo, localizada ao lado da rua José Bonifácio, cujas condições estão bastante precárias, em razão do desgaste provocado por fatores como os climáticos e a poluição.

Junto com isso, outra obra que deve começar, de imediato, é a restauração dos vitrais laterais da Catedral, que também apresentam problemas.

Delfino prevê a necessidade de se investir cerca de R$ 280 mil na primeira etapa das obras, que deverá estar pronta em 2020.

Para arrecadar os recursos necessários, o padre espera contar com ajuda de empresários da cidade que frequentam as missas e outras atividades da Catedral, mas também colocou à disposição dos demais católicos carnês de contribuições mensais voluntárias, com valores de R$ 20, R$ 50, R$ 100, ou até mesmo quantias maiores, caso haja interesse dos doares.

Haverá também uma rifa de prêmios diversos, com 20 prêmios que serão sorteados em duas etapas, cujos bilhetes poderão ser adquiridos ao custo de R$ 10 cada. Ele também conclamou os fiéis para que participem ajudando a vender os bilhetes.

Convidados

Convidado a subir à parte superior do altar pelo pároco da Catedral, o deputado federal Marco Bertaiolli destacou a importância histórica do templo para a cidade. “É missão de todos nós, que estamos aqui neste momento, ajudarmos a cuidar para que as futuras gerações encontrem uma igreja tão bonita quanto a que nós temos”, disse o político.

Num rápido histórico, Bertaiolli destacou que aquela foi a primeira capela construída no antigo povoado, “onde os bandeirantes rezaram as primeiras missas, no terreno que mais tarde viria sediar Mogi das Cruzes.”. Ele lembrou que a primeira de Santana foi erguida por volta de 1900 e que pouco mais de 50 anos depois, a estrutura veio abaixo e teve de ser reconstruída com a participação da comunidade, ganhando mais tarde o status de catedral.

Depois de relembrar sua infância ligada à igreja, onde fez sua primeira comunhão e se sentava “sempre no banco número seis, da direita”, ao lado dos avós, tendo sido coroinha dos padres Xavier e Vicente Morlini, o deputado conclamou a todos que ajudassem o padre Delfino a levar adiante as obras da Catedral.

Marcus Melo, o prefeito, seguiu na mesma linha, falando inicialmente de sua alegria de estar ali, “numa manhã de domingo, dia especial da família, como nosso amigo Bertaiolli falou”.

Após ressaltar que Mogi “é uma cidade abençoada porque tem um povo do bem”, o prefeito traçou uma relação entre a administração da cidade e da igreja, para concluir que “todos temos de ajudar no trabalho em favor da preservação da Catedral”

Melo também fez questão de lembrar o mês de dezembro, como sendo do “Natal e da família” em que é “preciso perdoar e também ajudar aos que necessitam”.

“Quem possamos, juntos, trabalhar pela Catedral de Santana”, conclamou o prefeito.


Deixe seu comentário