EDUCAÇÃO

Cempre da Vila Lavínia terá ensino integral a partir de março para o ciclo II

atividade começa no Cempre benedito Ferreira lopes após o Carnaval. (Foto: Guilherme Berti/PMMC)
atividade começa no Cempre benedito Ferreira lopes após o Carnaval. (Foto: Guilherme Berti/PMMC)

Após o Carnaval, os alunos do ensino fundamental ciclo II, de 6º ao 9º ano, do Cempre Benedito Ferreira Lopes, na Vila Lavínia, terão a opção de estudar em tempo integral na unidade. A proposta foi apresentada na manhã de ontem ao Conselho dos Pais, que deverá analisar e discutir possíveis mudanças com a Secretaria Municipal de Educação. O prefeito Marcus Melo (PSDB) anunciou a novidade durante visita ao prédio, que contou com a presença da titular da pasta, Juliana Guedes, e entrega de material escolar e de camisetas do uniforme aos alunos.

Juliana explicou que desde o ano passado, a diretoria da escola passou a inserir algumas atividades na programação das aulas, para saber quais eram mais interessantes aos alunos. “É a única escola que nós temos com os anos finais do ensino fundamental na rede municipal, então queremos que sirva de escola modelo, até porque são alunos que estão na pré-adolescência e na adolescência. E começam a querer sair sozinhos de casa. Como os pais trabalham, não têm muito controle, e a escola é um bom local para eles estarem. Essa é a proposta”, destacou.

A secretária pontuou ainda que o projeto é de valorização tanto do professor quanto do aluno, por isso devem participar do período integral os estudantes mais dedicados e que entendem que isso será importante em sua formação. “Eles terão flag football e a vocação musical dos alunos, então viemos com um coral mais moderno, com acompanhamento de violão, teatro e as oficinas esportivas tradicionais”, explicou.

Além disso, o Mogilínguas será implantado para os estudantes desde os 13 anos – atualmente, ele atende alunos a partir dos 16 anos – para toda a rede. “Devemos lançar isso junto com o período integral, logo após o Carnaval. No caso do período de aulas, precisamos da aprovação do conselho para contratar os funcionários”, explicou a secretária.

O prefeito destacou que há uma preocupação da Prefeitura em entregar os materiais e uniformes aos estudantes ainda no começo do ano e com a ampliação do período de aulas. “Nós temos algumas escolas em que buscamos implantar o período integral, mas são escolas que não têm estrutura, porque foram construídas sem esta proposta. Por isso, as novas construções já têm essa proposta, assim como o Cempre, que é construído em Jundiapeba”, destacou.

Cada aluno da rede municipal de ensino recebeu duas camisetas de manga curta e uma de manga longa, com investimento total de R$ 1.213.282,05, além de kits de materiais escolares para os estudantes, incluindo a Educação de Jovens e Adultos (EJA), somando R$ 2.064.131,64. Atualmente são 46,3 mil alunos e 205 escolas municipais.


Deixe seu comentário