Centro de Triagem terá discussão

 Grupo de saíras se alimenta com os frutos de árvore no Parque Botyra Camorim Gatti / Foto: José Luiz Freire de Almeida  - Divulgação
Grupo de saíras se alimenta com os frutos de árvore no Parque Botyra Camorim Gatti / Foto: José Luiz Freire de Almeida – Divulgação

Na próxima terça-feira (3), às 19 horas, a Câmara Municipal receberá o “Debate: Implantação de um Cetas em Mogi das Cruzes”. O evento é uma iniciativa do veterinário Jefferson Leite, que desde o último ano promove estudos sobre a possibilidade de instalação do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) no Município.

O “Debate: Implantação do Cetas em Mogi das Cruzes” será aberto ao público, no auditório Tufi Elias Andery, no Legislativo. O evento será dividido em três momentos: relato sobre a experiência de outros municípios na implantação do Cetas; apresentação dos estudos preliminares para instalação da unidade em Mogi; e debates finais. Um relatório com as conclusões será encaminhado à Administração Municipal.

Vários órgãos e entidades que realizam trabalhos ligados à proteção da fauna silvestre foram convidados para o evento. Entre eles estão a Secretaria Municipal de Verde e Meio Ambiente, Centro de Controle de Zoonoses, Polícia Ambiental, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), entre outros. Ambientalistas, estudantes e simpatizantes da causa poderão participar do debate, sem necessidade de inscrição prévia.

O veterinário Jefferson Leite confirma que há demanda para um Cetas em Mogi. “O Município possui enorme território, com ampla zona rural e áreas de preservação ambiental. Essas regiões têm fauna rica e é comum que haja resgate de animais silvestres feridos, inclusive na área urbana. Precisamos de local adequado para recebimento e tratamento, visando à posterior soltura”, destaca o veterinário.

O trabalho de Leite tem sido acompanhado pelo vereador Claudio Miyake (PSDB). Desde 2015, acompanhados da veterinária Debora Murakami, eles iniciaram uma série de visitas a outros municípios para conhecer as experiências com a triagem de animais silvestres. O grupo esteve nas unidades de Jundiaí, Cubatão, Lorena e São Paulo. Além disso, os mogianos também conheceram o trabalho desenvolvido no Parque Ecológico Tietê, que desde 2011 já recebeu e tratou mais de 1,6 mil animais resgatados ou apreendidos em Mogi.

Leia mais na edição impressa