IMPRESSÕES

Chevrolet Spin Activ7 quer atrair pela versatilidade

A minivan Spin recebeu alterações visuais que a deixaram mais atual em relação aos outros Chevrolet (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

Nos últimos anos, a Chevrolet promoveu uma renovação de visual que afetou seu portfólio inteiro no Brasil. Até pouco tempo atrás, a minivan Spin era um dos poucos modelos que ainda ostentavam o desenho da identidade visual anterior da fabricante. Mas, desde julho, o veículo é oferecido nas lojas com o estilo que modernizou o design de toda a linha, principalmente da variante aventureira Activ. Além das alterações promovidas na dianteira e na lanterna, o modelo perdeu o estepe pendurado na traseira em sua configuração com visual off road. E, com isso, passou a oferecer também esta configuração com possibilidade de uma terceira fileira de assentos, garantindo sete passageiros na cabine, com a Spin Activ7.
Para garantir o melhor aproveitamento do espaço no interior, a Spin Activ7 tem a segunda fileira de bancos deslizante, que permite que os assentos sejam movimentados para frente ou para trás, ampliando a área para as pernas dos ocupantes da frente ou os de trás. Para se alinhar à identidade visual da Chevrolet, o capô ficou mais inclinado, os faróis estão mais afilados e com máscara negra e luzes de condução diurna em LED, além de moldura cromada na grade.

A Chevrolet Spin é um veículo familiar que, no entanto, caiu nas graças dos taxistas (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

As rodas têm 16 polegadas de série e, atrás, há um aerofólio esculpido na parte superior da tampa. No teto, um rack em forma de “U” pode receber barras transversais capazes de levar pranchas ou bicicletas. Pontos de ancoragem para cadeirinhas infantis do tipo Isofix e Top Tether, além do quinto apoio de cabeça e cinto de segurança de três pontos no assento central, também estão entre as novidades.
Outras mudanças afetaram detalhes de acabamento por dentro da Spin Activ. O quadro de instrumentos, por exemplo, passa a ser semelhante ao do Chevrolet Tracker. Saídas do ar-condicionado, porta-luvas, moldura da central multimídia e comandos como os dos vidros, travas e retrovisores elétricos foram atualizados. E, segundo a Chevrolet, essas alterações melhoraram a ergonomia.
A marca também garante que a arquitetura recebeu tecnologias que elevaram a segurança e melhoram a dirigibilidade. A suspensão foi ajustada para melhorar o conforto dentro da cabine. Devolvendo o estepe para a mala, a concentração do peso na parte inferior do veículo melhorou, reduzindo assim o centro de gravidade. Por outro lado, no trem de força pouco se mexeu. Apenas a calibração da transmissão foi alterada e o câmbio é sempre automático, com seis velocidades. Já o motor segue o já conhecido 1.8 litro Eco, que agora rende até 111/106 cv de potência e 17,7/16,8 kgfm de torque quando abastecido com etanol/gasolina.

Versão Activ7 custa R$ 84 mil, um valor alto para as características gerais da minivan (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

Apesar da vocação familiar, a grande aceitação da Chevrolet Spin pelos taxistas e outros profissionais de transporte privado estigmatizou um pouco o modelo. Talvez por isso seja tão comum que, com a cor amarela metálica da nova Activ, pessoas nas ruas do Rio de Janeiro façam sinal para o carro, já que os táxis cariocas são amarelos. E basta entrar na minivan para perceber por que se trata de um veículo tão procurado pelos profissionais do trânsito. O espaço é bem amplo e o porta-malas, quando não se precisa levar sete pessoas, também.
O visual despojado de fora de estrada, no entanto, é ilusório. A Spin Activ é extremamente urbana e seu motor 1.8 litro de 111 cv máximos com etanol não permite mesmo uma tocada mais esportiva na estrada. E nem deveria: o foco é totalmente no conforto a bordo e a suspensão prova isso quando se tenta levar o modelo um pouco mais perto de seus limites. A carroceria rola e convém entender que o projeto não foi pensado para divertir o motorista na estrada, mas sim para proporcionar um passeio ou uma viagem agradável e sem grandes preocupações.

Interior da Spin Activ7 conta com sistema multimídia e uma enorme quantidade de plástico rígido (Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

Não há sobras, mas o toque máximo de 17,7 kgfm já presente integralmente a 2.600 rpm com etanol contribui para as retomadas e ultrapassagens, apesar do motor parecer que está chegando ao seu limite e se esforçando para tal tarefa. O casamento com a transmissão automática de seis velocidades está ainda mais suave e, para utilizar toda a força do conjunto, basta pressionar com força o pé direito para que o monovolume comece a ganhar velocidade. (Márcio Maio/AutoPress)

Ponto a ponto – Chevrolet Spin Activ7

Desempenho – As alterações promovidas neste ano não afetaram o trem de força. Apenas algumas mudanças na calibragem da transmissão automática de seis velocidades foram realizadas. O motor 1.8 segue o mesmo de antes, capaz de render 106/111 cv com gasolina/etanol no tanque e 16,8/17,7 kgfm nas mesmas condições. Números que não chegam a oferecer arroubos em termos de aceleração, mas fazem da minivan familiar um carro honesto. O câmbio está mais suave e as trocas ficaram mais inteligentes e eficientes. Nota 7
Estabilidade – A altura elevada da carroceria e o acerto mais macio do conjunto, focado no conforto, até prejudicam seu comportamento em curvas mais rápidas. Mas, por outro lado, a retirada do estepe da tampa do porta-malas melhorou a concentração do peso na parte inferior do veículo, rebaixando o seu centro de gravidade. E a melhora é nítida para quem já teve experiências com a roda sobressalente atrás. Nota 8
Interatividade – Os comandos principais do carro estão em lugares fáceis e têm uso bem intuitivo. A posição de dirigir mais elevada facilita a visibilidade dianteira e o grande vidro traseiro garante boa percepção para o motorista. E, mais uma vez, a retirada do estepe traseiro da tampa da mala facilitou demais sua abertura e ainda criou a opção da versão aventureira com sete lugares. Nota 8
Consumo – A Spin Activ com sete lugares não consta na tabela de testes do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, do Inmetro. A versão LTZ 2018, no entanto, marcou 7,5/9,2 km/l com etanol/gasolina na cidade e 10,9/13,1 km/l nas mesmas condições, na estrada. Com isso, recebeu notas A na categoria e C no geral. Como as alterações foram mais visuais do que dinâmicas, o consumo da Activ 2019 para sete passageiros será similar. Nota 7
Conforto – Há bom espaço para os passageiros dianteiros e até três pessoas viajam com conforto no assento traseiro. A suspensão é macia e absorve bem os impactos das irregularidades do asfalto. A direção elétrica também torna a manobrabilidade do modelo mais confortável. No entanto, para se acomodar nos lugares da terceira fileira, só mesmo se for uma criança ou um animal de estimação – e que não seja de grande porte. Nota 8
Tecnologia – Lançada em 2010, a plataforma da Spin continua bem acertada. A transmissão é automática e ajuda a melhorar o desempenho e até o consumo. O sistema multimídia MyLink não chegou a ser muito modernizado, mas traz Android Auto e Apple CarPlay, além do sistema de telemática OnStar. Porém, itens como controle eletrônico de estabilidade e tração passam longe da lista de equipamentos. Nota 6
Habitabilidade – O teto alto e o bom ângulo de abertura das portas facilitam bastante o acesso. O porta-malas leva só 162 litros, mas chega a 553 litros com a última fileira de bancos rebaixada. E a segunda fileira é corrediça, o que faz com que ela possa ter a distância da fileira de trás e da frontal com até 11 centímetros de diferença, sendo cinco para frente e seis para trás. Nota 7
Acabamento – A Spin tem encaixes bem feitos e os materiais são aparentemente de boa qualidade. O excesso de plásticos rígidos, no entanto, impressiona negativamente, ainda mais pelo custo do automóvel, acima dos R$ 80 mil. Poderia ser um pouco mais caprichado para atuar nessa faixa de preço. Nota 5
Design – É inegável que o “face-lift” melhorou, e muito, a imagem da minivan no mercado. O desenho anterior era datado demais e, agora, a Spin se alinhou à identidade visual da Chevrolet, se assemelhando aos outros modelos atualizados da fabricante. Além disso, as características estéticas focadas na ideia de aventura agradam o público brasileiro e, prova disso, é a grande oferta de variantes nessa linha em quase todas as marcas. E duas tonalidades metálicas de pintura – amarela e azul – estão disponíveis para venda sem custo adicional. Nota 7
Custo/benefício – A Chevrolet cobra R$ 84.390 pela Spin Activ com sete lugares. É um tanto caro para as características gerais do modelo, porém há poucos concorrentes compactos com sete lugares. Um Fiat Doblò Essence 1.8 parte de R$ 87.190 na linha 2018 e, mesmo assim, não chega a ser tão bem equipado. Nota 7
Total – A Chevrolet Spin Activ7 somou 70 pontos em 100 possíveis.

Ficha técnica
Chevrolet Spin Activ7

(Foto Jorge Rodrigues Jorge/AutoPress)

Motor: Gasolina e etanol, dianteiro, transversal, 1.796 cm³, quatro cilindros em linha, duas válvulas por cilindro e comando simples no cabeçote. Acelerador eletrônico e injeção multiponto.
Transmissão: Câmbio automático de seis velocidades à frente e uma a ré. Tração dianteira. Não possui controle de tração.
Potência máxima: 111/106 cv a 5.200 rpm com etanol/gasolina.29
Torque máximo: 17,7 a 2.600 rpm com etanol e 16,8 kgfm a 2.800 rpm com gasolina.
Diâmetro e curso: 80,5 mm X 88,2 mm. Taxa de compressão: 12,3:1.
Suspensão: Dianteira independente do tipo McPherson, com barra estabilizadora e amortecedores pressurizados. Traseira por eixo de torção com barra estabilizadora e amortecedores pressurizados. Não possui controle de estabilidade.
Pneus: 205/60 R16.
Freios: Discos ventilados na frente e tambores atrás. ABS de série.
Carroceria: Monovolume em monobloco com quatro portas e cinco lugares. Com 4,42 metros de comprimento, 1,76 m de largura, 1,69 m de altura e 2,62 m de distância entre-eixos. Airbag duplo frontal de série.
Peso: 1.275 kg
Capacidade do porta-malas: 162 litros.
Tanque de combustível: 53 litros.
Produção: São Caetano do Sul, São Paulo.
Lançamento no Brasil: 2012. Lançamento da versão: 2014. Face-lift: 2018.
Itens de série: Ar-condicionado, direção elétrica, vidros e travas elétricas, ajuste de altura do banco do motorista, rodas de 16 polegadas, controle de velocidade, rack de teto, faróis de neblina, sensor de estacionamento traseiro, computador de bordo, câmara de ré, sensor de chuva e de luz, sistema de grade ativa do radiador e sistema de entretenimento MyLink com Bluetooth, Android Auto, Apple CarPlay e USB.
Preço: R$ 84.390.