SITUAÇÃO

Cientistas alertam para abelhas

TAREFA Além da produção de mel, as abelhas são responsáveis por polinizar as plantações. (Foto: arquivo)
TAREFA Além da produção de mel, as abelhas são responsáveis por polinizar as plantações. (Foto: arquivo)

Nos últimos tempos, os cientistas de todo o mundo vêm alertando sobre o declínio no volume de abelhas, resultado sobretudo do desmatamento. Mas muito além do mel, a espécie é responsável por polimizar diversas plantações que servem de alimento para o ser humano ou animais. O seu desaparecimento pode causar desequilíbrio na cadeia alimentar e diminuir em até 25% o rendimento das colheitas.

A professora do curso de Ciências Biológicas e pesquisadora do mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), Maria Santina de Castro Morini, destaca que no Brasil uma das principais espécies é a africana, que apesar de estar incorporada no país há muito tempo, desde que os jesuítas trouxeram a espécie para a produção de vela no País, passou por um surgimento híbrido da europeia com a africana.

Maria aponta alguns fatores para essa situação de decréscimo na produção. Um deles é o desmatamento, que diminui a diversidade de vegetação da qual ela se alimenta. Considerando que cada inseto vive entre 24 e 40 dias, principalmente pelas dificuldades que enfrenta fora da colmeia, o cenário com menor oferta diminui ainda mais a resistência delas. “Hoje a gente tem ainda um aumento de plantas que são importantes para nós, mas a redução daquelas necessárias para elas, como o eucalipto”, disse.

DIFICIL Maria diz que redução de abelhas afeta produção rural. (Foto: divulgação)

Outro fator, que inclusive vem sendo mais agravado no Brasil, é o agrotóxico que o governo Bolsonaro vem liberando desmedidamente desde o início da gestão. A abelha funciona como um sentinela para a quantidade de pesticida que está sendo usado. “Isso é um absurdo, é um verdadeiro assassinato de animais, do próprio ser humano. Não estamos acostumados às novas moléculas que estão sendo liberadas. Então, lá no final da cadeia, não vai dar certo”, alerta.

Por fim, a professora ressalta que se o homem for ignorante ao ponto de pensar que não se alimenta de nada que a abelha produz, o fim dela pode estar próximo. Mas ele tem que entender que faz parte de uma cadeia, e que a retirada de uma das espécies de base causa um desequilíbrio em todo o restante. “Vamos pensar também na questão econômica. Somos um dos países mais produtores do mundo. Fora isso, tem a saúde do ambiente e do ser humano que dependem dessa preservação”, destacou.

No dia 8 de junho, o Parque Municipal recebe, durante a programação do Junho Verde, o Piquenique Consciente, com três palestras sobre a importância da abelha. Uma delas será ministrada pela vereadora de Mogi, Fernanda Moreno (PV), que tem projeto de lei para remediar os enxames encontrados na região urbana da cidade (leia texto nesta página). A segunda ficará por conta de uma representante da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável Rural junto aos apicultores e a outra abordará abelhas nativas.