EDITORIAL

Cinturão Verde

É uma vitória dos agricultores e das empresas de processamento de produtos agrícolas da Região do Alto Tietê a isenção do Imposto sobre a Circulação de Serviços e Mercadorias (ICMS) confirmada com a assinatura do governador João Doria ao decreto estadual que elimina a cobrança planejada pelo setor fazendário para o setor. Os agricultores de Mogi das Cruzes e Região reviveram uma tradição que merece ser cultivada pelas gerações mais novas, que estão assumindo a lida no campo.

Não foi uma batalha fácil. Os agricultores esperaram seis anos pelo benefício fiscal dado aos produtos hortifrútis minimamente processados, verduras, frutas e legumes embalados ou refrigerados, após terem sido descascados ou cortados.

A Secretaria de Estado da Fazenda defendia a cobrança de 18% de imposto aos produtos comercializados por 11 empresas instaladas na região de Mogi das Cruzes. A medida impactaria diretamente na atuação de cerca de mil agricultores que abastecem um setor em crescimento na Região de Mogi das Cruzes. Ao longo desse período, a apreensão da categoria foi grande.

Agora, chegou ao fim uma luta dos produtores rurais e empresários, que contou com a interlocução direta dos deputados Estevam Galvão de Oliveira e Junji Abe, além de Marco Bertaiolli, mais recentemente.

No fim, prevaleceu o bom senso. Historicamente, o agricultor brasileiro pena com a falta de incentivos e as difíceis condições da lida que depende do tempo, pesquisa e do acesso às tecnologias. Por isso mesmo, frestas abertas com a venda de produtos para empresas que estão atendendo às mudanças no comportamento de consumo das pessoas são bem-vindas para combater outro fenômeno preocupante: a redução das pequenas e médias propriedades rurais no Alto Tietê.

Todo e qualquer fomento ao agronegócio é importante para favorecer uma importante cadeia da economia regional.

A maioria dessas empresas de processamento de produtos agrícola pertence a agricultores, que compram a produção de vizinhos, movimentando um setor onde estão um contingente respeitável: cerca de mil pessoas. Além de onerar o setor, a cobrança de 18% de imposto chegaria também ao consumidor final.

Ontem, ao serem recebidos pelo governador João Doria, no Palácio dos Bandeirantes, representantes dos produtores rurais repetiram uma tradição que orgulha Mogi das Cruzes: a união dos produtores rurais em favor de um benefício comum. Tem sido assim, aliás, por meio do exercício da parceria e do cooperativismo, que a agricultura praticada no Alto Tietê mantém o status de Cinturão Verde.