CARTAS

Clube Náutico Mogiano

Foi em 1933, o início de uma era de ouro, um clube munido de muitos atrativos, que na época era o sonho de todo o cidadão que desejava oferecer atrativos aos familiares e amigos, como quadras, campos, pista de corrida, auditório, novidades que foram muito bem recebidas pela população mogiana e de toda região. Oitenta e seis anos de muita história, diversos eventos, reuniões, casamentos, e tudo aquilo que agradaria à população daquela época de ouro.

Nos meados de 2019 estamos vivenciando uma onda de tecnologia que veio para mudar o comportamento de toda a sociedade, acabando assim aquela época dourada, onde tudo era novidade.

Além dos custos de manutenção elevados, um dos fatores que vêm sufocando os clubes de grande porte é a diversidade de opções de lazer, principalmente em Mogi: parques Centenário, Leon Feffer, das Neblinas, da Cidade, praças da Juventude, da Liberdade, sem dizer que todos os investimentos imobiliários já vêm incluídos em seus projetos, quadras, campos de futebol, tênis, entre outros. A maioria das praças de Mogi já têm as Academias da Terceira Idade (equipamentos de ginástica).

Com o fácil acesso a essas atrações gratuitas, a população migra para elas, por uma questão de economia. E o efeito está sendo devastador, atingindo grandes patrimônios como o Clube Náutico Mogiano e outros, que estão com os dias contados, fazendo com que aqueles mais conservadores sintam as perdas ocasionadas pela tecnologia e praticidade que nossa cidade tem em relação ao lazer.

Uma pena, pois devemos, sim, conservar esses clubes centenários, que nos deram tantas alegrias.

Expedito Tobias
Jundiapeba, Mogi das Cruzes