EDITORIAL

Combate necessário

A Prefeitura de Mogi das Cruzes intensificou a comunicação com a população com a abertura e expansão dos canais de informações sobre o novo coronavírus e as regulamentações municipais adotadas para controlar o aumento dos casos do novo coronavírus, o Covid-19. O principal desafio das autoridades mogianas é reduzir a elevação do número de pessoas infectadas, uma situação prevista para ser registrada entre abril e maio.

A experiência italiana modula as decisões tomadas por prefeituras como a de Mogi das Cruzes. Cidades que adotaram o rígido confinamento social registram menos mortes e internações.

Há um ano, o prefeito Marcus Melo começou a utilizar o recurso das lives, transmissões ao vivo pela internet, para comunicar ações e esclarecer dúvidas da população. Desde segunda-feira, as conversas tem tempo real e com a presença de secretários, passaram a ser diárias. E apresentam resultados como a participação de cerca de 2 mil pessoas, ao vivo, e o alcance de um público estimado em 70 mil pessoas.

Outros mecanismos são o atendimento por telefone aos serviços da Secretaria Municipal de Saúde pelos telefones 160 e pelo Disque Corona, pelo telefone 4798-5160, que disponibiliza médicos para tirar dúvidas de pessoas com dúvidas e sintomas de gripes que podem ser confundidos com os sinais da doença provocada pelo Covid-19.

Médicos orientam os pacientes 24 horas por dia. E estão impedindo, dessa forma, a superlotação dos postos de saúde, UPAs e hospitais.

A rápida resposta do governo municipal, o uso da internet e do telefone, e a transparência dada sobre as decisões baseadas em dados técnicos e científicos à crise desencadeada pela pandemia do coronavírus merecem ser reconhecidos. Especialmente porque as falsas notícias e os maus exemplos, inclusive, de lideranças públicas, podem determinar um atraso no cumprimento das medidas do isolamento social – necessário agora, quando os primeiros casos são registrados.

Sempre necessário repetir: o poder de contaminação do Covid-19 já pode ser mensurado na própria região – em apenas cinco dias, o número de casos suspeitos subiu 361% nas cidades do Alto Tietê.


Deixe seu comentário