PROPAGANDA

Comerciantes querem mudanças na Lei Mogi+Viva

No próximo dia 19, os comerciantes vão apresentar na Associação dos Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos de Mogi das Cruzes (Aeamc) um projeto de alteração da Lei Mogi+Viva, a fim de aumentar as ferramentas de publicidade da categoria. O assunto já foi debatido em reunião anteontem na sede da entidade, que contou com a participação do presidente da entidade e do Sindicato do Comércio Varejista de Mogi das Cruzes (Sincomércio), Valterli Martinez, e vereadores que acompanham o pedido da categoria. O resultado da conversa deverá ser formalizado na proposta a ser encaminhada à Prefeitura Municipal.

O presidente do Sincomércio explicou que a categoria defende a alteração de dois pontos prioritários, sobretudo para as vendas deste fim de ano. O primeiro deles é poder a autorização para fazer propaganda nas vitrines. Hoje, ela tem de ficar a um metro da porta para dentro da loja. “A nossa ideia é permitir que a vitrine venha para a porta e que o comerciante possa fazer algum tipo de publicidade de forma estipulada pela Prefeitura”, afirma Martinez.

O segundo ponto é a possibilidade de inserir uma ou duas marcas patrocinadoras, de produtos que a loja oferece, na fachada. “Essa é uma forma tanto de mostrar o que a loja oferece e também de ajudar o comerciante, porque geralmente é a patrocinadora que paga por esta faixa. Não temos intenção de aumentar muito o tamanho e isso não vai poluir o cenário da Cidade”, pontua Martinez.

O presidente da Aeamc, Nelson Bettoi Batalha Neto, lembrou que a lei já está em vigor em Mogi e contribuiu bastante para despoluir o visual. Ele disse que ainda falta a parte da Prefeitura em organizar a fiação. “Defendo que dentro da propriedade, o poder público não deveria influenciar. Mas em São Paulo foi aberto que fizesse publicidade na vitrine como o empresário quisesse e teve problema com a quantidade de LEDs colocados. Nós vamos tentar, para que eles possam também trabalhar com as vitrines e a propaganda na fachada, mas com o cuidado para não voltar ao que era antes”, explicou.

O vereador José Francimário Vieira (PR), o Farofa, também participou do encontro. Ele preside a Comissão Especial de Vereadores (CEV) criada para tratar sobre a lei. “A gente tem conversado com o prefeito sobre as reivindicações do comércio e ele tem se mostrado aberto ao diálogo. Ele pediu para levarmos a proposta para ele poder ver também, então vamos apresentar a ele depois da reunião com a Associação”, disse o parlamentar.

Além disso, segundo Farofa, Marcus Melo (PSDB) tem sinalizado de forma positiva para a abertura de vagas de estacionamento provisórias no Centro e em outros pontos comerciais de Mogi durante os 40 dias de vendas do fim de ano.