ARTIGO

Como melhorar a situação de emprego?

Claudio Costa

Foram diversas as sequelas da grave crise econômica brasileira e o país ainda não conseguiu se firmar em uma recuperação, e, sem dúvida, a que mais impactou e se torna cada dia mais preocupante e desesperadora é a situação do emprego e renda. As últimas noticias dão conta que agora somos mais de 13 milhões de desempregados, 28 milhões no subemprego e o mais preocupante é que 25% desse total são jovens tentando iniciar no mercado de trabalho.

No Brasil, somente 11% dos jovens conseguem ir para as universidades e pouco mais de 40% fazem algum curso profissionalizante. Em países desenvolvidos este percentual ultrapassa 70%.

Não bastasse nosso fracasso econômico recente, o que podemos esperar do nosso futuro se nossa população fica cada dia mais pobre e desqualificada profissionalmente?

Infelizmente vivemos um momento de vaidade política que nada contribui para sairmos desta situação desesperadora, onde o caos social começa a surgir. Muitos afirmam categoricamente que após a aprovação das reformas tudo voltará ao normal e o país começara a crescer novamente.

O que na verdade precisa ser dito e entendido e que após as reformas, talvez, o Brasil entrará novamente para o radar do desenvolvimento, ou seja, estaremos incluídos em uma lista de vários países atrativos do ponto de vista de investimento, porem, vários fatores serão determinantes para sermos agraciados com os recursos financeiros, como a estabilidade política, infraestrutura e capital humano.

Pelo lado prático da coisa, os governos precisam estar preocupados em reaquecer novamente a economia e as obras de infraestrutura são determinantes para retomada do emprego e atratividade de investimento.

Por outro lado, nunca o capital humano foi tão importante neste momento de tecnologia digital, inovação e inteligência artificial. Precisamos urgente, qualificar e requalificar nossa população, sobretuto o jovem. Esta população precisa estar preparada para as novas demandas que irão surgir na indústria, comercio e na área de prestação de serviços (principalmente). O poder publico precisa ajudar, criando oportunidades para que isso seja possível.

Os programas sociais como bolsa família são muito importantes para o presente, mas precisamos preparar nossa população para o futuro, pois só assim teremos alguma chance de sucesso.

Claudio Costa é economista e diretor de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Mogi.