CARTAS

Complexo e Notre-Dame

O complexo de vira-lata de Nelson Rodrigues parece ser evidente quando comparamos a ajuda monetária que Notre-Dame recebeu dos brasileiros e a ajuda que o Museu Nacional recebeu destes mesmos. É verdade, mas por outro lado não se pode julgar, em um mundo neoliberal, o que cada indivíduo faz com o seu dinheiro, principalmente quando o assunto é doação a tragédias.

O viralatismo é sentir-se vítima e, ao mesmo tempo, faz o sofredor querer ser quem ele considera superior. Discutir o motivo de Lily Safra ter doado para um e não para outro já demonstra que o brasileiro vive em um estado de vitimismo, de se enxergar inferior a outros países.

Nesta discussão, quem reclama sofre por se sentir inferior e, quem defende, argumenta atacando a burocracia brasileira de doação, argumento esse um tanto exagerado.

No Brasil, ninguém está fora da síndrome do vira-lata: todos nós brasileiros temos esta tendência mal-educada. Mas não é somente pela escolha de Lily que vemos isso. A própria negligência pela qual o Museu Nacional foi tratado durante anos, com pouca verba, incentivo e desvios irregulares, também são reflexos do brasileiro que tem esse “ar” de malandro. Não há nada mais malandro e vira-lata neste País do que os nossos corruptos.

E isso não é culpa de um ou outro partido, afinal a política brasileira não se renovou nas últimas eleições. Isso significa que o poder ainda está nas mãos dos mesmos indivíduos, só houve certo rearranjo. Sinto pena dos animais sem raça definida que foram comparados a esses indivíduos.

Leonardo Torres

rfcomunicacaocorporativa.com.br