INFORMAÇÃO

Comunidade nipo-brasileira se une para eleger nikkeis

Entidade de SP tem mogianos que pouco participam do MPN

Pelo segundo ano consecutivo, está partindo de São Paulo uma ação destinada a fortalecer os políticos e as entidades ligadas à comunidade de japoneses e descendentes, por meio da eleição do maior número possível dos chamados candidatos nikkeis nas próximas eleições municipais. O Movimento Político Nikkei (MPN), idealizado pelo ex-deputado Hatiro Shimomoto e que conta com a participação – ainda que distante – de três mogianos, o ex-deputado Junji Abe, o vice-prefeito Juliano Abe, e o vereador Claudio Miyake, realiza uma espécie de trabalho preventivo, destacando a importância da eleição dos candidatos ligados à comunidade nipo-brasileira para evitar as lamentações que invariavelmente ocorrem quando esse grupo deixa de eleger seus representantes na política. Ou seja, aqueles que vão defender os interesses desta comunidade nas áreas municipal, caso específico das próximas eleições, estadual ou federal.  “Alguém precisa falar antes das eleições porque depois, não adianta ficar reclamando”, diz Shimomoto, sobre o MPN. “Todos querem a presença e ajuda de políticos em seus eventos, mas se não eleger ninguém, o que é que eles vão fazer?”, diz o criador e coordenador do Movimento, que nasceu em função do baixo desempenho dos candidatos nikkeis na recente disputa para deputados federal e estadual. O único membro da comunidade eleito para a Câmara, nas eleições de 2018, foi Kim Kataguiri, ainda que com pouca ou nenhuma ligação com as entidades ligadas à comunidade nikkei da Capital. Para manter vivo o espírito comunitário e de união entre a comunidade nipo-brasileira, o MPN vem realizando, desde o seu início, encontros e simpósios, que têm como palestrantes as principais lideranças de entidades, como o Bunkyo da Capital, ou órgãos, como o Consulado Geral do Japão. Dos 17 membros efetivos do MPN, sete não têm participado ativamente das ações. E entre eles estão justamente os três mogianos, Junji, Juliano e Miyake, segundo disse o coordenador ao Jornal Nippak, um dos porta-vozes da comunidade nikkei paulista. Em Mogi, um grande número de candidatos com sobrenomes ligados à comunidade, prepara-se para concorrer às próximas eleições, especialmente para a Câmara Municipal. Mas isso será assunto para uma próxima coluna.

Avisos

As cidades de Poá, Ferraz e Suzano, da região do Alto Tietê, estão entre as 184 de todo o Estado que receberam recomendações do Ministério Público para agir mais intensamente no combate ao novo coronavírus. Entre elas, fechamento de atividades não essenciais, suspensão de cirurgias eletivas para não sobrecarregar a rede hospitalar, garantir o fornecimento de equipamentos de proteção a médicos e enfermeiros, vedar a concessão de alvarás para eventos privados, manter distância de 1m50 nas filas de vacinação, higienizar mais frequentemente a frota de transporte coletivo e divulgar informações acerca da Covid-19.

Na cidade

Em Mogi, a ação mais direta do MP foi exercida pelo promotor Leandro Lippi que denunciou à Polícia o tenista João Feijão Souza e sua irmã, Maria Clara, por um vídeo postado em rede social onde, numa evidente brincadeira de mau gosto, os dois se divertem com acusações sobre a suposta propagação do novo coronavírus na cidade. Ambos serão alvos de inquérito policial por conta da divulgação de tal material.

De Mogi

O “Jornal Eldorado”, da Rádio Eldorado, de São Paulo, começou, ontem, a ser apresentado, simultaneamente, de Mogi das Cruzes e da zona Sul de São Paulo, onde residem os apresentadores Haisem Abaki e Carolina Ercolin. A emissora montou postos avançados nas residências dos dois âncoras.

Espórtulas

Se alguém decidir encomendar a missa gregoriana a algum religioso da Diocese de Mogi das Cruzes terá de desembolsar a quantia de R$ 3.500,00, valor especificado na nova tabela de espórtulas (gratificações em dinheiro ou donativos) e taxas, definida recentemente pelo bispo dom Pedro Luiz Stringhini para 2020. A missa gregoriana é denominada como o conjunto de 30 missas celebradas consecutivamente pelo sacerdote pela intenção exclusiva de uma alma, diferente da missa de intenção individual, cujo valor está estabelecido em R$ 80,00. A celebração de um batismo, com a devida certidão, custa hoje R$ 104,00, enquanto a de casamento, incluindo processo e certidão, vale R$ 522,00. O bispo, entretanto, alerta que o padre deve considerar a condição econômica das pessoas, não privando os mais pobres dos sacramentos e celebrações.

Frase

A desigualdade social é grave e vai se agravar muito com a epidemia.

Roberto Medronho, epidemiologista da Universidade Federal do Rio de Janeiro e especialista em saúde pública


Deixe seu comentário