SEGUNDA VIA E RECLAMAÇÕES

Contribuintes lotam plantão de dúvidas do IPTU de Mogi

Proprietários de imóveis lotam o PAC da Prefeitura para pedir revisão do valor do IPTU. (Foto: Henrique Campos)
Proprietários de imóveis lotam o PAC da Prefeitura para pedir revisão do valor do IPTU. (Foto: Henrique Campos)

O saguão do prédio da Prefeitura de Mogi estava tomado, na manhã de ontem, de contribuintes com problemas no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de 2019. Além do atendimento no Posto de Atendimento ao Cidadão (PAC), uma outra parte do piso foi destinada a quem tinha dúvidas. A Administração Municipal prorrogou para esta sexta-feira o pagamento da primeira parcela ou parcela única do tributo deste ano.

Joel Vieira do Nascimento é morador da Vila Brasileira e foi à Prefeitura nesta segunda-feira consultar o motivo que levou o IPTU de seu imóvel ter aumentado de R$ 566,00 em 2018 para R$ 1.641,00 este ano. Segundo o morador, a única alteração na casa dele foi terminar de fechar, com telha, uma pequena área nos fundos da casa. “Já tinha acontecido isso no ano passado. Aí vim aqui e reclamei e eles baixaram o valor, que tinha vindo maior do que o deste ano. Mas agora, eles fizeram a mesma coisa”, conta.

Antônio Teodoro Aguiar também estava a fim de entender o aumento de R$ 270,00 para R$ 870,00 do imposto. Segundo ele, houve ampliação da área construída, mas não que justifique o triplo no valor do tributo. “Agora, a gente tem de vir aqui e pegar essas filas gigantescas para saber o que está acontecendo”, reclama.

No PAC havia contribuintes como a aposentada Neusa Alves Sena, de 66 anos, moradora da Chácaras Guanabara. Ela ainda não tinha recebido o carnê do IPTU e, por isso, também foi até o local porque temia que o valor estivesse errado. “Vim logo para esclarecer isso”, enfatizou.

Apesar de todos esses problemas, a Prefeitura de Mogi ainda não divulgou se houve um levantamento para identificar onde ocorreram possíveis falhas de cálculo, se por região ou CEP e de que modo isso seria recalculado. A nota enviada a O Diário ontem apenas pontuou que o erro foi a falta de impressão da área construída em cerca de 2,5 mil carnês. “Todos já foram reenviados e entregues. Também é possível obter a segunda via no site da Prefeitura”, destacou.

No entanto, à TV Diário, a Prefeitura confirmou que a dispensa do secretário municipal de Finanças, Aurílio Caiado, na última sexta-feira, foi porque havia erro na impressão dos carnês e inconsistências no cálculo de outros.

Questionada ontem, a Prefeitura de Mogi disse que ainda não tem o balanço do número de pessoas que fizeram o pedido de revisão do IPTU e que fará este levantamento para verificar as pendências, mas o trabalho pode demorar algum tempo porque, em alguns casos, o fiscal terá de ir à casa dos contribuintes a fim de analisar a possível inconsistência.