CASO

Corpo de mogiano morto em ação da PM em Paraisópolis é sepultado

ADEUS Familiares e amigos acompanham o sepultamento de Gabriel Rogério de Moraes no Cemitério da Saudade. (Foto: Eisner Soares)

Um grande número de jovens se reuniu no velório Cristo Redentor, em Mogi das Cruzes, na manhã desta segunda-feira (02), para dar adeus ao leiturista jovem aprendiz Gabriel Rogério de Moraes, de 20 anos. Ele é uma das nove vítimas fatais resultantes de uma ação da Polícia Militar na comunidade de Paraisópolis, na madrugada de domingo, durante um baile funk. Outras 12 pessoas ficaram feridas.

No atestado de óbito de Moraes consta a informação de que ele morreu por asfixia mecânica por enforcação indireta, finergia físico química, no Hospital Municipal do Campo Limpo. O pai de Gabriel, Reinaldo Cabral de Moraes, falou com emoção sobre o filho. Segundo ele, ficou sabendo na manhã de domingo do que havia acontecido e logo foi para São Paulo, e no Hospital do Campo Limpo descobriu que o filho estava entre os mortos.

FAMÍLIA Ao lado da mãe de Gabriel, o pai Reinaldo de Moraes espera justiça pela morte do filho. (Foto: Eisner Soares)

Segundo informações do jornal São Paulo Agora, Bruno Gabriel dos Santos, de 22 anos – vítima no mesmo caso – também era morador de Mogi das Cruzes. O Velório Municipal de Mogi informou para O Diário que o corpo do jovem foi liberado por volta das 14h30 pelo Instituto Médico Legal(IML). O corpo deverá ser enterrado no cemitério São Salvador na manhã desta terça-feira (03).

A Polícia Militar informou em nota que, por determinação do Comandante-Geral, Coronel PM Marcelo Vieira Salles, neste domingo (1º), a Corregedoria avocou o inquérito instaurado pelo 16º BPM/M. “Todas as circunstâncias do fato são apuradas. As armas dos policiais foram apreendidas e encaminhadas para perícia. O 89º DP também instaurou inquérito e os policiais que atuaram na ocorrência já prestaram depoimento”, destacou o texto.

Bruno foi ao baile festejar aniversário

O corpo de Bruno foi reconhecido por familiares. (Foto: reprodução – redes sociais)

Bruno Gabriel dos Santos, filho adotivo de uma família mogiana, decidiu ir ao Baile da 17, em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, no último domingo, para celebrar o próprio aniversário. Lá, de acordo com o boletim de ocorrências da Polícia Militar (PM), morreu após ser supostamente pisoteado – assim como outras oito pessoas, durante a dispersão da festa. O jovem havia completado 22 anos na última quinta-feira e, segundo amigos, estava empolgado com a data, o que para eles torna ainda mais triste a notícia de sua morte. Familiares e conhecidos cobram “justiça”, e detalhada investigação do caso.

O corpo de Bruno foi reconhecido por familiares e liberado pelo Instituto Médico Legal (IML) da Capital por volta das 14h30 de ontem, de onde seguiu para o Velório Cristo Redentor no início da noite, onde o corpo foi velado na noite desta segunda-feira. Segundo a direção do espaço, o sepultamento está agendado para a manhã de hoje, no Cemitério São Salvador.


Deixe seu comentário