ARTIGO

CPF x CNPJ

João Anatalino Rodrigues

A única coisa que merece a nossa fascinação de verdade é a vida. Deus a construiu com suas próprias armas de defesa. Por mais que nossa insensatez invente armas cada vez mais poderosas para destruí-la, ela sempre se defenderá, malgrado os ataques mais cruéis, mais devastadores que contra ela sejam dirigidos, seja por quem for. Até por nós mesmos. Ela é, ao mesmo tempo, a mais simples das estruturas que Deus pôs no mundo e também a mais complexa. Tão simples que todo o seu conteúdo físico e intelectual cabe numa minúscula célula. E tão complexa que até hoje sua estrutura não foi mapeada a contento, malgrado todo o avanço da ciência humana.

Por outro lado, no atual estágio da sociedade seria possível a vida humana sem a existência de empresas? Como um contingente de quase oito bilhões de pessoas poderia sobreviver sem organização social e dentro desta a produção centrada em células empresariais? Essa questão nos parece aquela do copo de água enchido até o meio. Uns vêem o copo meio cheio, outros o copo meio vazio. Os defensores de um e outro lado estão certos e errados. O CNPJ sem o CPF é uma carroça sem roda e o CPF sem o CNPJ uma roda sem carroça. Uma coisa parece certa. Bolsonaro precisa calar seu ego de ditador e os governadores, especialmente João Dória, a sua ambição desmedida. O presidente não é médico e não tem que dar palpites em assuntos que ele não entende. Dória e os governadores precisam ter mais senso prático e deixar por conta dos prefeitos as medidas de isolamento social. Há centenas de cidades no Estado de São Paulo e outros estados que não tem um único caso de Covid-19. Não justifica o isolamento social de seus habitantes.

Do jeito que o debate está sendo conduzido, das duas uma: salvamos as empresas e matamos os consumidores, ou salvamos os consumidores e matamos as empresas.

Querelas partidárias e batalhas ideológicas são a única coisa que não precisamos agora. Aos bolsonaristas e seus opositores só podemos dizer o seguinte: não tem santo nessa procissão de horrores que estamos assistindo. Só megalomaníacos ávidos de poder nos andores e um bando de cegos de um lado e de outro fazendo claque. E quando ela passar, ganhe quem ganhar, só restarão a miséria ou a morte para uns e para outros.

João Anatalino Rodrigues é escritor e advogado


Deixe seu comentário