TRANSPORTE

CPTM recebe projetos para modernizar estações de Mogi das Cruzes

Estatal faz chamamento público para que empresas e profissionais apresentem sugestões de reforma em estrutura da Estudantes, Mogi das Cruzes e Jundiapeba. (Foto: Eisner Soares)
Estatal faz chamamento público para que empresas e profissionais apresentem sugestões de reforma em estrutura da Estudantes, Mogi das Cruzes e Jundiapeba. (Foto: Eisner Soares)

Das 16 estações que compõem a Linha 11-Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, oito estão no Alto Tietê. Destas, quatro pertencem a Mogi das Cruzes. Mesmo com a maioria dos pontos de parada na Região, a cidade ainda não foi contemplada com a reforma e modernização da estrutura, diferente de outros pontos, como Suzano e Ferraz de Vasconcelos. Para resolver a questão, a CPTM abriu um chamamento público para reforma e concessão das estações Mogi, Estudantes e Jundiapeba.

Intitulado de “Projeto Mogi das Cruzes” o chamamento vai receber anteprojetos de engenharia vindos de empresas ou até mesmo de pessoas físicas. Esse documento pode ser entregue até o próximo dia 7 de fevereiro e deve ser protocolado na Rua Boa Vista, nº 175, em São Paulo, onde está localizada a Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado. A partir das informações colhidas é que o edital, ainda sem data de lançamento, deverá ser elaborado.

Em julho de 2018, a CPTM chegou a afirmar que “já foi contratada a empresa que vai elaborar os projetos básico e executivo visando a reconstrução dessa unidade (Estação Mogi das Cruzes), com prazo de conclusão até o segundo semestre de 2019. A nova estação, que será construída em área próxima da atual, terá passarela ligando os dois lados da ferrovia, aberta 24 horas por dia”.

Em maio daquele mesmo ano, teve início nessa estação uma obra de adequação de acessibilidade, que contemplou a instalação de rampas, pisos e mapas táteis, vaga de embarque e desembarque preferencial, rebaixamentos de calçada, dentre outros itens. Jundiapeba, Braz Cubas e Estudantes, também receberam intervenções de acessibilidade.

A melhoria das condições de todas as estações de trem faz parte de um acordo firmado no passado pela CPTM e o Ministério Público. Embora não tenha se manifestado sobre a afirmação de 2018, que dava como certa a contratação de uma empresa para elaboração dos projetos, a companhia disse em nota que “o chamamento público tem como objetivo ouvir o mercado e a sociedade a respeito de uma possível concessão de direito real de uso das estações, com possibilidade de exploração comercial e obrigação acessória de reforma das três estações”.

A expectativa é “receber subsídios do mercado para que o financiamento dos custos das obras ocorra pela iniciativa privada, através da concessão”. A resposta não apresenta prazos para o cumprimento de uma antiga promessa a Mogi das Cruzes, mas reforça que “o projeto básico existente, todos estudos e contribuições que forem realizadas pela iniciativa privada no âmbito do chamamento público servirão como base para definição do projeto que integrará a futura concessão”.

A concessão das estações para promover reformas e outras intervenções foi uma das promessas de campanha feita pelo governador João Doria. Antes da eleição, quando respondeu a este jornal sobre a pendência, ele anunciou a modalidade de gestão das estações, como uma solução para uma espera de décadas dos passageiros do transporte ferroviário de Mogi.


Deixe seu comentário