PROPOSTA

Cultura inscreve para o Salão de Artes Plásticas

PROPOSTA O Salão de Artes Plásticas de Mogi das Cruzes, que tem o objetivo de fomentar, promover e difundir a produção de artes visuais, homenageia um artista da cidade a cada edição. (Fotos: arquivo)

A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo acaba de abrir as inscrições para o 7º Salão de Artes Plásticas de Mogi das Cruzes. As inscrições permanecerão abertas até o dia 7 de agosto e podem ser feitas pessoalmente ou via Correios, respeitando dias e horários de atendimento da Secretaria (dias úteis, das 8h30 às 16h30) e fazendo uso de aviso de recebimento, em caso de envio.

Para se inscrever, é fundamental que o artista esteja cadastrado e com os dados atualizados no sistema de cadastro e mapeamento de profissionais da arte e cultura, no site da Secretaria. Podem se inscrever artistas ou coletivos de artistas, brasileiros ou estrangeiros, maiores de 18 anos, residentes no país há mais de três anos.

É preciso entregar ou enviar à Secretaria um envelope A4 lacrado, em que constem a ficha de inscrição preenchida, cópia do RG, CPF e comprovante de residência, dados bancários, fotografia do artista ou coletivo de artistas que respondem pela obra, bem como currículo e/ou portfólio de quem assina o trabalho, histórico e memorial da obra inscrita.

Para quem for optar pelo envio da inscrição, o endereço da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo é Rua Coronel Souza Franco, 791/795, Centro Histórico, Mogi das Cruzes, São Paulo, CEP 08710-020.

O Salão de Artes é dividido nas categorias acadêmica e contemporânea e serão aceitas obra bi e tridimensionais. O artista ou coletivo poderá inscrever no máximo três trabalhos, na categoria escolhida. Os trabalhos precisam ter sido produzidos a partir de 2017 e não podem representar cópia ou  reprodução de qualquer outra obra.

Os processos de habilitação, pré-seleção e classificação devem ocorrer entre os meses de agosto e outubro. A análise documental ficará sob a responsabilidade de equipe técnica da Secretaria de Cultura e Turismo, enquanto a avaliação e seleção das obras será feita por uma comissão julgadora, composta por renomados profissionais das artes plásticas e outros segmentos culturais.

Haverá premiação em dinheiro para quem ficar nas cinco primeiras colocações: R$1.200,00 para o primeiro colocado, R$ 1.100,00 para o segundo, R$ 1.000,00 para o terceiro, R$ 900,00 para o quarto e R$ 800,00 para o quinto colocado. Também serão entregues dois diplomas e medalhas de menção honrosa, mais certificado de participação para todos os selecionados.

A previsão é que o 7º Salão de Artes de Mogi das Cruzes tenha abertura no dia 7 de novembro deste ano. Vale lembrar que as datas podem sofrer alterações, em conformidade com as orientações da Organização Mundial da Saúde, visando proteger a população da contaminação pela Covid-19.

O 7º salão de Artes Plásticas de Mogi das Cruzes tem por objetivo fomentar, promover e difundir a produção artística, estimular a reflexão e o intercâmbio de ideias no campo das artes visuais, contribuindo para a formação de público e construção da história da arte no país.

A edição deste ano vai prestar homenagem ao artista plástico falecido no ano de 1992, Sussumu Aramaki. Assim como em anos anteriores, a escolha do patrono se deu por meio de uma pesquisa online, que permaneceu aberta entre os dias 30 de abril e 30 de junho deste ano.

Pintor Sussumu Aramaki é homenageado nesta edição

Sussumu Aramaki nasceu no dia 1º de maio de 1917 no Japão, na cidade de Yahata e chegou ao Brasil aos 16 anos, ao lado de seus familiares, pai, mãe e três irmãos. Todos foram trabalhar na lavoura, com a plantação de café e passaram por cidades como Cravinhos, São Pedro, Quintana e Pompéia, até que em 1967 chegaram a Mogi das Cruzes.

Em Mogi, Sussumu passa a ser comerciante e inicia a prática de pintar telas em locais públicos, com especial apreço por retratar a cidade e a natureza. Autodidata, pintava o que via em locais abertos e de acesso ao público, como praças e ruas.

Interessado e participativo, fez parte do CEF – Centro de Estudos Folclóricos, ao lado dos amigos e alunos que conquistou na cidade, como Olga Nóbrega, Heraldo Moraes, João Castilho Neto, entre outros. Com eles, começou a participar de salões e exposições, apresentando seu trabalho ao público ávido por arte. Também foi membro da Academia de Belas Artes de São Paulo.

Para aprimorar os conhecimentos da língua e cultura brasileira, cursou Mobral e também fez supletivo.

Aos 72 anos, aprendia e praticava a pintura clássica, quando conheceu o pintor Barros – O Mulato, de quem se orgulhava pelos traços apresentados em sua arte.

O mestre Sussumu, que para muitos proporcionou conhecimento artístico costumava dizer que, quando criança, já pintava paredes, cultivando sonho artístico de ser pintor. Também sonhava em praticar porcelana, escultura e levar essa experiência de volta ao Japão.

Foi casado com Masako e teve sete filhos: Tsunehissa, Momoyo, Keiko, Luiza, Teresa, Helena e Alice. Faleceu no dia 20 de julho de 1992. As informações sobre o homenageado foram extraídas da obra ‘O ABC do Pintor Sussumu Aramaki’, de Nyssia Freitas Meira – 2008, além de dados fornecidos por familiares do artista.


Deixe seu comentário