RESGATE

Definição sobre heliponto no Hospital Luzia de Pinho Melo pode sair em uma semana

EXPECTATIVA Diretores recebem Marco Bertaiolli na vistoria feita para definir o local adequado para instalação de heliponto no Luzia. (Foto: divulgação)

Uma equipe técnica de Obras e Patrimônio Público formada por dois engenheiros da Secretaria de Estado de Saúde visitou o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo, no bairro do Mogilar, para verificar a viabilidade de instalar um heliponto na unidade. A ação foi um pedido do deputado federal Marco Bertaiolli (PSD), que acompanhou a vistoria, ao lado do deputado estadual Marcos Damásio (PL). A instalação do heliponto no principal hospital público regional é um antigo pedido de Mogi das Cruzes ao Governo do Estado, que chegou a ser praticamente descartada em meados de outubro último pela pasta estadual. O resultado da vistoria deve sair na próxima semana.

Para o Bertaiolli, não há o que se discutir sobre a instalação do projeto porque essa é uma necessidade para melhorar as condições de atendimento aos pacientes resgatados por helicópteros. A fase agora é de se verificar a instalação. “O objetivo é de instalar o heliponto para socorrer com maior rapidez os pacientes de todo o Alto Tietê e de acidentes que ocorram nas rodovias regionais. Nenhuma área do hospital foi desprezada. Olhamos todos os campos e teremos uma resposta técnica na próxima semana”, detalhou o deputado, pontuando que, com o relatório em mãos, terá início uma nova fase com o levantamento de custos e tempo necessário para a execução da obras.

Os deputados foram recebidos pelos diretores João Luis de Miranda Rocha e Luiz Carlos Viana Barbosa.

Hoje, o serviço de resgate por via aérea ocorre por meio do heliponto situado do Corpo de Bombeiros de Mogi, mas que fica a cerca de sete minutos do hospital Luzia, conforme cálculo via Google Maps. Uma tempo que pode ser ainda maior dependendo das condições do trânsito. Eliminar a demora no socorro terrestre é uma antiga bandeira de lideranças políticas e deste jornal.

Em outras oportunidades, a Secretaria de Estado da Saúde acenou com o atendimento à reivindicação de Mogi das Cruzes e Regiao – mas o tempo foi passando sem a concretização do projeto que leva em conta a proximidade do Hospital Luzia de Pinho Melo com estradas que recebem um grande número de veículos como as rodovias Mogi-Bertioga, Ayrton Senna e até mesmo a SP-66 e o crescimento populacional do Alto Tietê.

Entre os entraves para a instalação do equipamento na unidade, estava a impossibilidade de o heliponto ser implantado na laje superior do prédio do Luzia, local mais indicado para facilitar o acesso do paciente, enfermeiros e socorristas ao interior do hospital. Isso porque já se sabe que a estrutura do imóvel construída durante a década de 1980 pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) para ser um hospital-escola não foi projetada para suportar o peso do helicóptero.

O outro espaço onde o heliponto poderia ser implantado acabou sendo ocupado pela nova clínica de Oncologia, recentemente construída pelo governo estadual. Agora, ficará a critério da análise dos técnicos a definição de um local.

Radiologia recebe novo aparelho ainda neste ano

Deverá ser concluída nas próximas semanas a instalação do novo aparelho de radioterapia do Centro Oncológico do Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo. Ontem, o deputado Marco Bertaiolli visitou as dependências do setor onde está sendo implantado o segundo equipamento que irá dujplicar a capacidade de tratamento de pessoas em tratamento de câncer. Hoje, a unidade trata cerca de 2,6 mil pacientes.

O equipamento é um dos 80 adquiridos pelo Ministério da Saúde com uma tecnologia mais precisa durante o tratamento e que diminui os efeitos colaterais sentidos pelo paciente. O diferencial é o seguinte: com foco e resolução mais direcionados, o tratamento reduz a lesões em células ao redor das que apresentam a doença.

O deputado confirmou ontem que a expectativa dos técnicos é de que a instalação seja concluída ainda até o final deste ano.

A inauguração deve contar com a presença do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

O equipamento custou R$ 1,2 milhão e um recurso de R$ 500 mil foi solicitado por Bertaiolli para a realização das adequações no prédio, necessárias para o recebimento do novo aparelho. A empresa Varian Medical Sistem, de Jundiaí, foi responsável pela montagem do sistema.


Deixe seu comentário