ARTIGO

Desemprego de patrão e empregado

Olavo Câmara

Diante da situação atual já não se pode mais falar que há desemprego apenas dos empregados. O número de patrões desempregados também cresce. Empresas fechando e patrões desempregados. Determinados governadores e prefeitos estão enganando o povo e tirando proveitos políticos. A questão de saúde é outro horror. Há hospitais montados para emergências completamente vazios em vários Estados e muitas compras efetuadas sem licitações, além de disputas sobre medicamentos entre laboratórios, o mundo da medicina e o mundo político. De um lado se diz que os remédios são simples e baratos e de outro que os remédios caros são os que dão resultados. O desemprego e a fome crescem. E quanto à cracolândia, ninguém tem coragem de tirar centenas ou até milhares das ruas, pois estão passando o vírus para muitos.

Considerando o grande número de desempregados que cresce a cada minuto, não há duvida que os assaltos, violência de toda ordem e os arrastões ou invasões de supermercados vão assustar. O que fazer? Em quem acreditar? Quem tem razão? Estamos vivendo o politicamente incorreto. Os três poderes não se unem e não dão exemplos. Inúmeros comerciantes de ruas como aqueles que trabalham no Brás a noite em barraquinhas estão proibidos de trabalhar e já se recolheram não podendo trabalhar e a fome vai chegando. Nas estradas os caminhoneiros ameaçam parar e, se acontecer esta parada haverá desabastecimento. Nos próximos três meses mesmo que a situação volte ao normal haverá pânico na economia do país.

Já dizem que com indústrias paradas está diminuindo no globo a poluição e o CO2 na atmosfera, (efeito estufa), parece ser a única coisa boa. Já se ouve que haverá guerra civil e vai crescendo a pressão para que os militares intervenham nos poderes. Há disputa de situação e oposição. Com a alta do dólar, a moeda brasileira se desvalorizou. Países ricos vão querer comprar tudo do Brasil a preço de banana. Vivemos de hipocrisias políticas, oportunismos e falácias. Há políticos sem caráter, desonestos, impatrióticos e sem cidadania. Que Deus nos salve.

Olavo Câmara é professor, advogado, mestre e doutor em Direito e Política


Deixe seu comentário