INFORMAÇÃO

“Diegão” explica por que quer ser cobaia de vacina

Vereador diz que Doria deveria ter se apresentado também para fazer o teste

Após enviar um documento endereçado ao governador João Doria Júnior (PSDB) colocando-se à disposição e pedindo para ser incluído entre as pessoas que irão participar dos testes da vacina contra o novo coronavírus, o vereador mogiano Diego de Amorim Martins, o “Diegão” (MDB), explica o que o levou a tomar tal iniciativa: “Eu senti que, como representante do povo, eu deveria ser o primeiro a me apresentar como voluntário. Eu vi que só médicos e profissionais da saúde estavam se apresentando. Só que eles já correm o risco diariamente. Então, nada mais justo que o político, que foi escolhido legitimamente pela população, deva ser a primeira cobaia e me coloquei à disposição”. Questionado se o que falou mais alto foi o espírito altruísta, ou o espírito eleitoral, o vereador assegurou: “Nada de eleitoral. Deveria ser obrigação de todo representante da população. Eu fui eleito para representar a população e nesta hora, quem deve estar na linha de frente? O representante do povo!” Quanto à resposta do governador, “Diegão” acredita que Doria “deveria aceitar prontamente” o seu apelo. “Inclusive – lembra ele –, quando foi feito o primeiro teste com uma médica, na frente do governador, quem deveria estar testando era ele. Primeiro nele! Doria fala que trabalha, isso e aquilo, mas naquele momento, ele deveria se sentar, levantar a camiseta e falar: ‘Aplica aqui em mim!’. Era o que eu faria”, assegura. Ciente dos riscos que poderá correr, caso venha a ser incluído na lista de voluntários para os testes, ele diz que “é preciso ter coragem”, porque a pandemia não acaba sem a descoberta da vacina. Diante das brincadeiras, segundo as quais, o vereador estaria confiando mais em sua “imunidade parlamentar” de que nos médicos, “Diegão” reage: “Eu confio em Deus. Foi Ele quem me colocou como um instrumento para trabalhar pela população”.

Lançamento

Os advogados Douglas de Matteu e Carla Alessandra Branca reuniram uma equipe de alto calibre no livro “O Futuro Humanizado do Direito”, que será lançado hoje, às 19h30, no Facebook e outras redes. Da live, respondendo perguntas, participarão oito dos 11 co-autores da obra, que são de Mogi: Luci Bonini, Claudia Helena Silva, Leila Cunningham, Carla Branca, Cátia Lanzoni, Valéria Gimenez, Carla Calderaro e Fabiana Cunha.

Enquete”

A juíza da 319ª Zona Eleitoral de Mogi, Ana Claudia de Moura Oliveira Querido, condenou a empresa Edições de Jornais Impresso Brasil ao pagamento de multa no valor de R$ 53.205,00 pela divulgação de uma enquete sobre quais seriam os políticos não confiáveis de Biritiba Mirim. A Justiça interpretou o levantamento como uma pesquisa eleitoral, realizada sem o prévio registro, como determina a lei. A denúncia contra a publicação foi feita pelo Diretório Municipal do PSD de Biritiba, representado pelo advogado Luiz David Costa Faria. Cabe recurso da decisão.

Na web

O vice-presidente do PV de Mogi e secretário de Comunicação do partido no Estado, Romildo Pinho Campello, será um dos debatedores do tema “Governar em Tempos Complexos”, que terá também as participações de Sérgio Bitar, ex-ministro de Estado do Chile, e Patricio Coronado, diretor do Instituto de Previdência Social (IPS) chileno. O encontro terá início às 19 horas (horário de Brasília) e será transmitido ao vivo através dos canais do Instituto Carlos Matus nas redes sociais. Para se inscrever: https://forms.gle/63ChAP53kLyKumUZ8

Webinares

O deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) participa hoje, de dois encontros, ao vivo, por videoconferência: às 9 horas, no canal da ejud5, no Youtube, debate o trabalho infantil e os 35 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente. Às 17 horas, com o tema “Negócios nos EUA”, será debatido como entrar no mercado e exportar para os Estados Unidos, junto com o vice-presidente da Facesp, Farid Murad, e o CEO do Oxford Group, Carlo Barbieri.

Frase

O que o Executivo brasileiro fez no período desde que ele foi eleito presidente? Nada… não houve governo – apenas uma raquete de insanidades.

Caetano Velloso, cantor e compositor, criticando o governo Bolsonaro, em entrevista ao jornal britânico “The Guardian”


Deixe seu comentário