PRODUÇÃO ILEGAL

Dise fecha refinaria de bebidas em Suzano que utilizava até etanol

Produto engarrafado abastecia a região rural de Suzano. (Foto: Divulgação)
Produto engarrafado abastecia a região rural de Suzano. (Foto: Divulgação)

Uma refinaria clandestina de bebidas alcoólicas como pinga e vinho foi descoberta nesta quarta-feira pelo delegado Fabrício Intelizano, da Dise (Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes) e os seus investigadores Itá Dias (chefe) , Bassalo e Rafael Santos. No local, em uma casa na Rua Kioshi Segawa, 960, na Vila Ipelândia, em Suzano, além de dezenas de galões e equipamentos usados na produção de ‘cachaça’ a equipe encontrou Charles Ferreira da Silva, de 37 anos, possuidor de antecedentes criminais por furto, estelionato e violência doméstica. Foi apurado que as ‘bebidas’ produzidas e engarrafadas de forma irregular eram comercializadas em Suzano, na Região do Alto Tietê e no município de Ribeirão Pires.

Depois de coletar as provas necessárias o delegado Intelizano autuou em flagrante Charles, na sede da Dise, no Mogilar, por falsificação de substâncias alimentícias, já com a colaboração da escrivã chefe Silva Emy. “ O crime é inafiançável. A situação vai se agravar justamente porque Charles falsificava bebidas”, disse o investigador chefe Itá Dias.

Os policiais da Dise chegaram ao endereço de Charles depois de receberem uma denúncia sobre a eventual existência de drogas na residência. Eles, no entanto, não encontraram entorpecentes, mas surpreenderam o acusado destilado a falsa bebida.

Na noite desta quarta-feira, ele passou pela audiência de custódia no Fórum de Mogi.

O delegado Fabrício Intelizano também acionou a Vigilância Sanitária, da Prefeitura de Suzano, cujos funcionários registraram todas as informações a respeito da suposta refinaria. Eles emitirão um laudo que será anexado ao inquérito. Orientado por seu advogado, Charles Ferreira optou em manter silêncio sobre o crime ao ser interrogado pela autoridade no auto de prisão em flagrante.

A esposa de Charles, Rosangela Jesus de Carvalho, de 28 anos, se eximiu de qualquer culpa relacionada ao crime.

No procedimento da Polícia Judiciária, ela afirmou que os materiais encontrados pertenciam ao seu marido. Ela negou que estaria envolvida com tráfico de drogas, mas sobre a refinaria “somente ele pode falar”.

Apoio
O delegado Intelizano após os investigadores receberem a denúncia formalizou pedido junto à Justiça e conseguiu mandado de busca e apreensão expedido pelo juiz de Direito Fernando Augusto Andrade Conceição, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Suzano.

A Dise ainda contou com o apoio do sargento Lucena e do cabo Pedro, do 32º BPM/M, e dos cães, do Canil da unidade. A inutilização das bebidas ficou a cargo do Ministério da Agricultura. A Polícia Civil realizou a pericia na refinaria. anotou os equipamentos e cada detalhe que poderão ajudar como provas contra o criminoso.

Entre os produtos localizados pelos policiais estão 11 galões de ‘cachaça’, 4 garrafões com 20 litros de vinho, 31 garrafões de pinga, um saco com dezenas de rolhas, outro com tampas plásticas e adesivos com a inscrição ‘pinga cambuci’ .